sexta-feira, 31 de março de 2017

«Vede como era seu amigo»


«Orai, orai muito»
O Evangelho deste domingo acentua, de facto, e por cinco vezes, esta relação de amizade de Jesus por Lázaro e pelas suas irmãs: «Vede como era seu amigo» (Jo 11,36) mas, ao mesmo tempo, desenvolve o diálogo orante de Jesus com o Pai: «Pai, dou-Te graças por me teres atendido» (Jo 11,41). Pelo que, nesta semana, somos desafiados a valorizar a oração, como um “tratar de Amizade com Aquele que sabemos que nos ama(Santa Teresa de Jesus, Livro da Vida, 8,5). Esse é também o desafio do Papa na sua Mensagem para a Quaresma: Não se contentar com uma vida medíocre, mas crescer na amizade do Senhor. Jesus é o amigo fiel que nunca nos abandona”.
Esta amizade com Cristo cresce assim na frequência e na intimidade da oração. Não estranhamos, por isso, que o apelo à oração, seja comum a todas as aparições, em Fátima, de maio a outubro de 1917. Porquê? Porque “sem oração não há conversão. Sem conversão não há mudança de vida. Sem mudança de vida não há paz. O mundo novo começa quando o homem se abre a Deus, em oração e adoração(PDP 2016/17, p. 28). “Em Fátima ouvimos falar de coisas escondidas – conversão, oração, penitência – que parecem não ter nenhuma importância política, mas são coisas decisivas, são as formas renovadoras do mundo(Cardeal Ratzinger). O apelo da Virgem de Fátima aos pastorinhos é constante nas aparições: «orai, orai muito».
 Rezemos mais, rezemos muito, rezemos melhor, para que cresça a nossa amizade com Cristo e se renove o amor entre nós. E rezemos, com coração de filhos, a oração do Pai-Nosso, que é entregue a quantos se querem tornar discípulos do Senhor, que com Ele dão graças ao Pai.

Sem comentários:

Enviar um comentário