sábado, 23 de setembro de 2017

Parabéns, senhor Bispo!

Foto de João António Pinheiro Teixeira.
Parabéns, senhor Bispo, por este décimo aniversário de ordenação episcopal. A nossa oração, amassada em  gratidão!

«Humanizar a educação»


“É necessário, portanto, humanizar a educação, ou seja, torná-la um processo em que cada pessoa possa desenvolver as próprias atitudes profundas, a própria vocação e assim contribuir para a vocação da própria comunidade”, refere o texto, intitulado ‘Educar para o humanismo solidário’.
(Congregação para a Educação Católica)

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Papa aceita resignação de bispo de Viseu por motivos de saúde

D. Ilídio Leandro disse ao Papa que gostaria de continuar a servir a diocese, na qualidade de pároco, enquanto puder.
D. Ilídio Leandro tem 66 anos e foi ordenado Bispo a 23 de Julho de 2006, dia em que tomou posse da Diocese de Viseu. A idade normal para resignação de um bispo é 75 anos, mas abrem-se excepções por motivos de saúde ou outros.
 
Veja aqui

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Missa de 7º Dia por D. António Francisco dos Santos

Foto de Centro Paroquial Santa Helena.
Nesta segunda-feira, pelas 18.30h, teve lugar na Sé de Lamego a Missa de 7º Dia por D. António Francisco dos Santos.
Além do Bispo de Lamego, do Bispo Emérito de Lamego e do Bispo de Vila Real, estiveram presentes dezenas de sacerdotes. O templo estava cheio. Alguns cristãos da Paróquia de Tarouca marcaram a sua presença....
D. António Francisvo. A bondade, o acolhimento e o empenho pelos outros, com sabor a Evangelho, marcaram a vida de muita gente.
Antes de ser Bispo, D. António Francisco foi padre desta diocese e aqui desenvolveu um multifacetado serviço à Igreja e à comunidade.
Hoje, de forma especial, a comunidade diocesana agradeceu a Deus a vida e o serviço de D. António, rezou pelo seu eterno descanso, confiando-se à sua intercessão junto do Eterno.

domingo, 17 de setembro de 2017

Grupo de Catequistas prepara o ano catequético 2017/18

Catequistas preparando o novo ano catequético no Senhor dos Caminhos
Catequistas no Senhor dos Caminhos
Catequistas em pausa para o lanche no Senhor do Calvário (VC da Beira)

Em 16 de setembro, o Grupo dos Catequistas desta Paróquia realizou um passeio ao Senhor dos Caminhos. Foi um tempo de oração, convívio, descoberta de novos espaços, reflexão e preparação do novo ano catequético 2017/18.
Saudámos com alegria todos os catequistas que enriquecem o grupo e reforçam  o empenho catequético. Saudação especial a quem entra de novo no Grupo. Bem-vindos!
Abordou-se o serviço eclesial do catequista em prol do crescimento humano e cristão dos seus catequizandos: " Percebeis como sois importantes num mundo onde todos estão algo angustiados, até mesmo as crianças. Deveis ser um sinal de salvação, que é uma coisa acolhedora. Salvação não é um código de leis, mas um ato de amor de Deus, que abraça as pessoas. E o catequista deve ter essa cara de salvação.
O mundo precisa disso e o catequista é uma pessoa fantástica, já que faz essa coisa rara no mundo de hoje: ele é "gratuito".Não é gratuito só porque não recebe pelo seu trabalho, mas porque GOSTA de se dar.
Deve ser feliz por ser o que é, e ajudar a própria Igreja a perceber o quanto ela também tem que ser assim.
Catequistas, obrigado, porque também vos  deixastes "SEDUZIR" pelo Senhor...
O Autor sagrado garante-vos: "Felizes os pés que andam para anunciar boas novas".
Salientaram-se os 4 pilares da catequese:

A Catequese é dada em torno de quatro pilares
O Credo – que é tudo o que cremos.
Os Sacramentos – que é a celebração do que cremos.
A Moral baseada nos Dez Mandamentos – que é como o cristão deve viver.
A Oração do cristão – com base especialmente no Pai-Nosso
Falou-se um bocadinho sobre pedagogia nos Encontro de Catequese
(Mais do que lição ou aula, falemos de encontro de catequese ou sessão de catequese)
1- Acolhimento: com alegria serena, acolher os catequizandos de modo que se sintam queridos e bem-vindos
2- Motivação: a partir de um caso da vida real, motivar para o tema
3- Desenvolvimento do tema: exposição e diálogo
4- Concretização do tema: desenho, canção, dramatização, texto, etc
5- Compromisso semanal: de acordo com o tema, ajudar a fazer os catequizandos a fazer um compromisso semanal
6- Oração: fórmula, oração espontânea, em silêncio, etc
Falou-se do próximo encontro com os pais e da Missa do início da catequese que se preparou. Mensagem a transmitir, orientações da catequese e calendarização das atividades catequéticas.
Dialogou-se sobre situações decorrentes da vida catequética e trocaram-se experiências. 
Foi um encontro marcado pelo desejo e empenho de todos em dar tudo em prol de um ano catequético que contribua para o crescimento humano e cristão dos catequizandos.
Bom ano catequético para todos

Paróquia de S. Pedro de Tarouca
Grupos da Catequese  e Catequistas
Coordenadora da Catequese: D. Alda
1º ano: D. Palmira e D. Alda
2º ano: D. Soraia e D. Belinha
3º ano: D. São, Susana e Beatriz
4º ano: Luis e D. Cláudia
5º ano: D. Isabel e D. Marina
6º ano: D. Delfina e D. Judite
7º ano: D. Anabela e D. Laida
8º ano: D. Lurdes
9º ano: D. Cândida e D. Carla
10º ano: Prof. César e Bruna

Calendário da Catequese
- 7/10- Inicio da Catequese. Missa de abertura da catequese, compromisso de catequizandos, catequistas e pais e envio, seguindo-se a reunião de pais.
- Novembro – Magusto da Catequese
- 2511 – Festa da Catequese: 1º aniversário da INAUGURAÇÃO do CENTRO PAROQUIAL 
É a melhor forma de comemorar a inaugurar duma estrutura que, sendo da comunidade, tem os olhos sobretudo nos mais novos.
- 23 e 30 de Dezembro: pausa do Natal
- Último sábado de janeiro: reunião formativa para os pais. Missa às 14.30h no Centro Paroquial, seguindo-se a catequese normal, enquanto os pais participam num encontro de formação. 
- 10 de Fevereiro: Pausa do Carnaval
- 19 de março: Dia do Pai
- 24 de março: Comunhão Pascal
-31 de março  e 7 de abril: Pausa da Páscoa
-5 de Maio: Dia da Mãe e Festa do Pai Nosso
- 13 de Maio: Reunião dos pais dos meninos que vão fazer a 1ª Comunhão, Profissão de Fé e Crisma
- 20 de maio: 1ª Comunhão
- 27 de maio: Crisma?
- 31 de maio: Corpo de Deus e Prof. de Fé
- 2 de junho: encerramento da Catequese
- 9 e 10 de junho: 6º ano na Peregrinação das Crianças a Fátima

IMPORTANTE:
- A data do Crisma está dependente da disponibilidade do sr. Bispo.
- Os catequistas presentes decidiram que era mais conveniente separar a festa da celebração do Crisma da Festa da Prof. de Fé. 
DINÂMICAS
- Os catequistas do 7º ao 10º anos podem combinar com os alunos o dia e hora da catequese
- Do 7º ao 10º anos, os meninos usam o Youcat; nos restantes anos, catecismo normal. (Prontidão na aquisição do material))
- Os jovens do Crisma têm que participar numa atividade da paróquia (coral, grupo de jovens, Gaspta, outro…)
- Ao sábado a catequese começa às 15 e termina às 16 h, sempre atentos aos toques da campainha. Pede-se pontualidade. Rigor na marcação de faltas.
- Ao sábado, a Missa com crianças é às 16.15h. É necessária a participação na Missa. Nunca desistir de teimar.
- Os catequizandos que têm catequese fora do sábado devem assumir o compromisso de ir à Missa, seja ao sábado, seja ao domingo.
- Todos os catequistas são catequistas de todos os catequizandos. Não há “capelinhas”.
- Solicita-se toda a atenção a esta situação: quem vai fazer o Crisma tem que aparecer logo desde o início. 
- O importante não são as festas da catequese. O importante é a preparação ao longo do ano!!!
- Missas no Lar e Animação das Missas da Quaresma:
7º ano
Lar num  sábado  de dezembro
1º Domingo da Quaresma
8º ano
Lar no último sábado de janeiro
2º Domingo da Quaresma
9º ano
Lar num  sábado de fevereiro
3º Domingo da Quaresma
6º ano
Lar num  sábado de março
4º Domingo da Quaresma
5º ano
Lar num sábado de maio
5º Domingo da Quaresma
10º ano
(quando entender)
Domingo de Ramos
(Dia da Juventude)

Aos P A I S !
Um ditado popular diz: «É fácil levar a égua até ao meio do ribeiro. O difícil é convencer a égua a beber a água.» De facto: se ela não estiver com sede, não beberá água por mais que o seu dono a force.
Bem diferente é se a égua está com sede e o dono a leva ao ribeiro. Depois de provar da água, a partir de então, ela, por vontade própria, tomará a iniciativa de ir até ao ribeiro.
Aplicado à educação, seja na escola, seja na catequese, este ditado seria: «É fácil obrigar os filhos a ir à escola/catequese. O difícil é convencê-los a aprender aquilo que não querem aprender. Bem diferente é servir-lhes o que vai alimentar a sua curiosidade, de modo que eles próprios, por sua livre e espontânea vontade, queiram aprender.»
Não basta aos pais “matricular” os filhos 
A catequese é uma experiência que contribui para o crescimento das crianças, dos adolescentes e dos jovens em sabedoria e em virtudes humanas e religiosas. A catequese é importante para alimentar a vida espiritual, que, por sua vez, dá forma às outras dimensões da vida.
Por isso, os filhos com idade para andar na catequese podem pedir aos pais – que os inscrevem ou que, pensando nisso, não os inscrevem – que tenham consciência da importância deste momento na vida deles.
Não basta aos pais “matricular” os filhos na catequese e esperar que os catequistas façam o milagre da conversão deles, ou, menos ainda, que os ocupem um par de horas.
Sem a participação e envolvimento dos pais, a catequese será para os filhos mais uma ocupação, uma atividade tradicional. Dos pais até poderão ouvir: «Vais frequentar a catequese porque nós também o fizemos, e toda a gente vai à catequese.»
Bem diferente é se os pais lhes explicam a verdadeira importância da catequese e lhes dão motivos convincentes para participar.
A falta de uma explicação, de um estímulo, gera descontentamento nos filhos. E ninguém gosta de fazer algo forçado, muito menos crianças e jovens adolescentes.
O que se pede à família
À família, pede-se que acompanhe a catequese dos seus membros. Alguns pais inscrevem os filhos e só procuram saber novidades no dia na celebração final ou por ocasião de algum evento. Todavia, os filhos precisam do devido acompanhamento, de perceber na família algum interesse pelos assuntos abordados. 
Nesse sentido:
- Os pais hão de manter contacto com o(a) catequista, conversar, apoiar.
- Os pais hão de participar na vida religiosa dos filhos, e a participação missa é um forte momento de encontro comunitário.
- Os pais estimularão os filho a ser assíduos e pontuais, e não aprovarão faltas por qualquer motivo fútil.
- Os pais animarão os filhos a ser presença de qualidade e, quando algo correr mal, evitarão culpar sem apontar alternativas. Há pais que culpam o padre, a Igreja, a catequese, o catequista... E isso desanima e afasta. Bem diferente é refletir com o filho sobre o que fazer, pela positiva, para mudar a situação.
- Os pais alimentarão a sua curiosidade, falando dos temas com os filhos. A Bíblia tem muito de cultura, de sabedoria, de pessoas e histórias com valores. É impossível não aprender cada dia algo novo.
- Pais e filhos rezarão juntos.
- Pais e filhos participarão nas atividades programadas pela catequese. E não arrastarão os filhos para outros eventos que os impedem de participar.
- Pais e filhos entenderão que na catequese, como em casa, na escola, num trabalho, numa ocupação de tempos livres, numa coletividade ou clube, há regras que precisam ser cumpridas para que ela tenha êxito.
- E todos lembrar-se-ão que os catequistas não são milagreiros. Sem a ajuda dos pais, a catequese não tem efeito.
NOTAS FINAIS
- Pede-se aos pais toda a colaboração e total delicadeza para com os catequistas que, gratuitamente, dão o melhor de si em prol da formação cristã dos catequizandos.
- Todos, catequistas, catequizandos e pais, devem ter em conta:
* Total pontualidade na entrada e na saída dos encontros de catequese;
* Que uma sessão de catequese é para falar de catequese;
- Que a sala de catequese terá as cadeiras dispostas conforme o catequista achar mais conveniente. Mas  cada sala deve ficar sempre limpa e o material respeitado;
- Haverá um novo projector portátil para apoio aos encontros de catequese. A Utilização dos projectores deve ser antecipadamente combinada com a Coordenadora.
A Coordenadora da Catequese, D. Alda, dada a sua função, deve ser acolhida por catequistas, catequizandos e pais, pois é com ela que todos devem dialogar sobre o dia-a-dia da catequese.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Valverde celebrou Nossa Senhora das Dores

Noite de sexta-feira, 15 de Setembro. Dia de Nossa Senhora das Dores.
 Valverde celebra a  Senhora das Dores.
Após a procissão de velas, com o andor da Senhora das Dores,  que se iniciou na capela, teve lugar a Eucaristia celebrada junto ao nicho de Nossa Senhora das Dores e animada coralmente por pessoas de Valverde, que também proclamaram a Palavra de Deus. Após a Missa, seguiu-se a procissão de regresso à capela.
Bastante gente na procissão e na Missa. Silêncio e postura de fé, numa noite serena de quase Outono.
Falou-se de Maria. Das suas dores. Das dores de seu Filho. Das Dores dos seus filhos, que somos nós.
Que a graça e o amor de Cristo que Maria nos deu e para o Qual nos chama, inundem de paz o nosso coração como o tempo fresco e sereno inundou a nossa presença..Que pelas suas dores , Ela nos ajude a aceitar o plano de Deus e nos alivie as nossas dores e as do mundo.
Parabéns à comissão, às pessoas que deram o seu donativo e colaboração.
Parabéns às pessoas que marcaram presença.

15 de Setembro - NOSSA SENHORA DAS DORES

Senhora das nossas dores
que não conhece o mundo, amargas,...
 
Senhora das sete espadas
cobrindo a eira toda
 
que vês os fogos varrer os montes
e estremecer as bouças
 
sê nosso transporte
para a fala livre, emancipada
a água que regue os vossos semeados,
 
Senhora das muitas dores
do Cristo sofrente,
dos amores magoados,
 
que o Pai nos socorra
e console o Espírito
nesta hora e sempre.
JAM

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Faleceu D. António Francisco dos Santos, bispo do Porto

O bispo do Porto, D. António Francisco dos Santos, faleceu esta segunda-feira pelas 09h30, aos 69 anos, vítima de enfarte agudo do miocárdio, na Casa Episcopal do Porto, onde residia.
"Cumpre-nos o dever de comunicar, com enorme pesar, a toda a Diocese do Porto que faleceu hoje, dia 11 de Setembro na Casa Episcopal, o Senhor D. António Francisco dos Santos, Bispo do Porto", refere a nota.
O corpo bispo do Porto vai estar em câmara ardente a partir das 17h00 de hoje e as exéquias solenes celebram-se no dia 13 de setembro, às 15h00, na Catedral do Porto.
A Sé vai estar aberta a partir das 09h00 e fecha portas às 24h00. ((Agência Ecclesia)

D. António Couto sobre a morte de D. António Francisco dos Santos
O bispo de Lamego, diocese de onde D. António Francisco dos Santos era originário, confessa-se “muito dorido” com a notícia da morte do bispo do Porto.
"São estas coisas intensas que nos dizem que, se calhar, este momento que agora estamos a viver é importante, não apenas porque D. António Francisco nos deixou, mas é importante também para nós percebermos que agora estamos aqui e, daqui a um bocado, podemos não estar. Este momento é decisivo. É absolutamente decisivo”, diz D. António do Couto à Renascença..
“Sinto muito o falecimento do meu irmão no episcopado D. António Francisco. Sei também das dificuldades que ele sentia no exercício do seu ministério. Sempre estive ao lado dele e estou. E é com dor que eu olho para esta situação”, completa.
 
D. António Francisco, um amigo de Tarouca
D. António Francisco dos Santos, enquanto padre e formador no Seminário de Lamego,  foi assistente espiritual das Equipas de Nossa Senhora  desta paróquia, durante anos, deixando nos casais que as integraram uma marca forte, tanto no aspeto humano como cristão.
D. António Francisco presidiu algumas vezes à Festa de Santa Helena em nome do sr. Bispo, D. Américo do Couto Oliveira.
Mostrou sempre interesse por esta comunidade, apoiando, incentivando, orientando.
Recordamos um episódio. D. António era assinante do Sopé da Montanha. Quando foi transferido da diocese de Aveiro para a do Porto, por lapso nosso, deixou de receber o jornal. Certo dia, encontrando-se no Porto com gente de Tarouca, manda um recado: "Mandem-me o jornal que eu pago". Claro que de imediato se resolveu a situação e o mensário começou a bater-lhe à porta.
Era assim D. António. Um amigo desta terra.
Missa de 7º Dia
Na próxima 2ªfeira (de hoje a oito dias), D. António Couto, nosso Bispo, presidirá na Sé de Lamego, pelas 18.30h à Missa de 7º Dia por D. António Francisco.
 
Descanse em paz, bom Amigo!
Junto do Eterno, interceda por nós.

domingo, 10 de setembro de 2017

A Junta promoveu festa-convívio no Senhor do Monte

A Capela do Senhor do Monte é pertença da Junta de Freguesia.
Mais uma vez este ano, por iniciativa da Junta da União de Freguesias Tarouca/Dalvares, realizou-se a festa que teve lugar no dia 10 de Setembro. Esta encontro/convívio tem sempre lugar no domingo a seguir à Festa de Nossa Senhora dos Remédios.
Durante a manhã, voluntários ali prestaram vários serviços, mormente no tocante à confeção do almoço ao qual acorreu bastante gente  e que decorreu em clima de alegria, simplicidade e mútua ajuda.
Pelas 15h horas, teve início a Eucaristia cantada pela Banda de Tarouca, seguindo-se a procissão à volta da capela.
Seguiu-se um tempo de convívio e de partilha, com a presença de música, do Grupo de Bombos de Tarouca e da realização de jogos populares. Entretanto, a Junta ofereceu o lanche.
Aquele lugar é lindíssimo, recatado. Precisa apenas de alguns melhoramentos, mormente a nível de acessos, arranjo de espaços, colocação de mesas e de wcs, exploração de água.
Assinale-se o facto de bastante gente ter acorrido ao local, tanto da União de Freguesias de Tarouca/Dalvares como  de outras terras.. Tudo o que contribua para juntar as pessoas de uma freguesia tão dispersa é sempre bem-vindo. As pessoas souberam conviver fraternalmente em são espírito de partilha.
 

sábado, 9 de setembro de 2017

Jovens desta comunidade participam no Jubileu dos Jovens (JubJovem)

O Santuário de Fátima recebe entre hoje e domingo “mais de 3 mil jovens” que se inscreveram no Jubileu dos Jovens (JubJovem), uma “proposta de espiritualidade”, pelo Centenário das Aparições.
Os jovens participam nas atividades habituais do santuário e às 21h30 de sábado marcam presença no Rosário e na Procissão das Velas para depois assistirem a um concerto de António Zambujo e Miguel Araújo, que compuseram temas inéditos sobre a paz, a partir das 23h00, no Parque 12.
Inserido nas celebrações do Centenário das Aparições de Nossa Senhora, o JubJovem tem como tema ‘O segredo da paz, o caminho do coração’ e destina-se um público entre os 16 e os 35 anos; foi desenvolvido pelo Santuário de Fátima em parceria com o DNPJ, envolvendo os secretariados diocesanos e movimentos de juventude católicos.
Após o acolhimento da parte da manhã, a partir das 10h00, a tarde começa com diversas propostas de preparação dedicadas ao tema da paz e a abertura oficial do JubJovem é às 17h00, na Capelinha das Aparições.
Segundo o programa a noite continua com uma “direta” com uma “experiência forte de silêncio” em peregrinação com momentos de oração e reflexão.
No domingo, os jovens vão reunir-se no Recinto de Oração, a partir das 10h00, para participar no terço, na Missa, no rito de envio do JubJovem e na procissão do adeus; a Eucaristia vai ser presidida pelo bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto.

Catequese não é tradição. Que querem os pais para os seus filhos quando os inscrevem na catequese?

Um ditado popular diz: «É fácil levar a égua até ao meio do ribeiro. O difícil é convencer a égua a beber a água.» De facto: se ela não estiver com sede, não beberá água por mais que o seu dono a force.
Bem diferente é se a égua está com sede e o dono a leva ao ribeiro. Depois de provar da água, a partir de então, ela, por vontade própria, tomará a iniciativa de ir até ao ribeiro.
 
Aplicado à educação, seja na escola, seja na catequese, este ditado seria: «É fácil obrigar os filhos a ir à escola/catequese. O difícil é convencê-los a aprender aquilo que não querem aprender. Bem diferente é servir-lhes o que vai alimentar a sua curiosidade, de modo que eles próprios, por sua livre e espontânea vontade, queiram aprender.»

Não basta aos pais “matricular” os filhos 
A catequese é uma experiência que contribui para o crescimento das crianças, dos adolescentes e dos jovens em sabedoria e em virtudes humanas e religiosas. A catequese é importante para alimentar a vida espiritual, que, por sua vez, dá forma às outras dimensões da vida.
 
Por isso, os filhos com idade para andar na catequese podem pedir aos pais – que os inscrevem ou que, pensando nisso, não os inscrevem – que tenham consciência da importância deste momento na vida deles.
 
Não basta aos pais “matricular” os filhos na catequese e esperar que os catequistas façam o milagre da conversão deles, ou, menos ainda, que os ocupem um par de horas.
 
Sem a participação e envolvimento dos pais, a catequese será para os filhos mais uma ocupação, uma atividade tradicional. Dos pais até poderão ouvir: «Vais frequentar a catequese porque nós também o fizemos, e toda a gente vai à catequese.»
Bem diferente é se os pais lhes explicam a verdadeira importância da catequese e lhes dão motivos convincentes para participar.
A falta de uma explicação, de um estímulo, gera descontentamento nos filhos. E ninguém gosta de fazer algo forçado, muito menos crianças e jovens adolescentes.
 
O que se pede à família
À família, pede-se que acompanhe a catequese dos seus membros. Alguns pais inscrevem os filhos e só procuram saber novidades no dia na celebração final ou por ocasião de algum evento. Todavia, os filhos precisam do devido acompanhamento, de perceber na família algum interesse pelos assuntos abordados. 
Nesse sentido:
- Os pais hão de manter contacto com o(a) catequista, conversar, apoiar.
- Os pais hão de participar na vida religiosa dos filhos, e a participação missa é um forte momento de encontro comunitário.
- Os pais estimularão os filho a ser assíduos e pontuais, e não aprovarão faltas por qualquer motivo fútil.
- Os pais animarão os filhos a ser presença de qualidade e, quando algo correr mal, evitarão culpar sem apontar alternativas. Há pais que culpam o padre, a Igreja, a catequese, o catequista... E isso desanima e afasta. Bem diferente é refletir com o filho sobre o que fazer, pela positiva, para mudar a situação.
- Os pais alimentarão a sua curiosidade, falando dos temas com os filhos. A Bíblia tem muito de cultura, de sabedoria, de pessoas e histórias com valores. É impossível não aprender cada dia algo novo.
- Pais e filhos rezarão juntos.
- Pais e filhos participarão nas atividades programadas pela catequese. E não arrastarão os filhos para outros eventos que os impedem de participar.
- Pais e filhos entenderão que na catequese, como em casa, na escola, num trabalho, numa ocupação de tempos livres, numa coletividade ou clube, há regras que precisam ser cumpridas para que ela tenha êxito.
- E todos lembrar-se-ão que os catequistas não são milagreiros. Sem a ajuda dos pais, a catequese não tem efeito.
Fonte: aqui

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

8 de setembro, Natividade de Nossa Senhora

Hoje é comemorado o dia em que Deus começa a pôr em prática o Seu plano eterno, pois era necessário que se construísse a casa, antes que o Rei descesse para habitá-la. Esta “casa”, que é Maria, foi construída com sete colunas, que são os dons do Espírito Santo.
Deus dá um passo à frente na atuação do Seu eterno desígnio de amor, por isso, a festa de hoje, foi celebrada com louvores magníficos por muitos Santos Padres. Segundo uma antiga tradição os pais de Maria, Joaquim e Ana, não podiam ter filhos, até que em meio às lágrimas, penitências e orações, alcançaram esta graça de Deus.
De fato, Maria nasce, é amamentada e cresce para ser a Mãe do Rei dos séculos, para ser a Mãe de Deus. E por isso comemoramos o dia de sua vinda para este mundo, e não somente o nascimento para o Céu, como é feito com os outros santos.
Sem dúvida, para nós como para todos os patriarcas do Antigo Testamento, o nascimento da Mãe, é razão de júbilo, pois Ela apareceu no mundo: a Aurora que precedeu o Sol da Justiça e Redentor da Humanidade.
Parabéns, Santa Mãe!
Nossa Senhora, rogai por nós!