domingo, 31 de maio de 2015

Sacramento da Confirmação (CRISMA) na Paróquia de Tarouca


O senhor Vigário Geral da Diocese de Lamego, Mons. Dr. Joaquim Rebelo, deslocou-se a Tarouca no domingo, dia 31 de maio,  para crismar 42 jovens.
Pelo que senti, pelo que ouvi e pelo que referiu o senhor Vigário Geral, tudo correu bem, felizmente.
Os jovens portaram-se à maneira. Estiveram muito bem. Serenos, participativos, felizes.
Na homilia, Mons. Joaquim Rebelo falou-lhes, a partir das leituras, da Santíssima Trindade, Deus uno e trino. Deus Pai que manifestou o seu imenso amor pelos homens ao enviar à terra o Seu Filho e do Espírito Santo, intérprete da linguagem de Deus, que sustenta o nosso "permanecer" em Cristo, do compromisso dos crismados na vida da comunidade eclesial, desafiando-os a levar Cristo às periferias existenciais... Indicou-lhes o caminho da fidelidade frisando que o contrato/compromisso entre o crismada e a Igreja não tem prazo de duração.
Os jovens animaram com os cânticos a assembleia, com o apoio de um grupo instrumental;  proclamaram as leituras; participaram no cortejo de oferendas. No fim da Eucaristia, o pároco, no seguimento das palavras do senhor Vigário Geral, deixou-lhes um desafio: "Participai!  Sois demasiado importantes e não tendes vocação de morcego. Vivei a alegria de serdes cristãos. E nunca metais o vosso contrato/compromisso crismal na gaveta do esquecimento. Sede, como vos disse o senhor Vigário Geral, Igreja que parte  para as periferias existenciais, mas nunca sejais pessoas que abandonam a Igreja." IDE!



Terminada a celebração, os crismados ofereceram ao senhor Vigário Geral uma pequena oferta como sinal de gratidão  e manifestaram-lhe a sua alegria pelo dom do Espírito Santo recebido. Igualmente agradeceram às suas catequistas São  e Guida que os acompanharam durante os 10 anos de catequese,  à Laida e Rúben, padrinhos, sacerdote, comunidade cristã.
 Uma representante do Grupo de Jovens fez um apelo entusiasmado a todos os crismados para que integrassem o grupo de jovens, lembrando que, em 2016, o Encontro Diocesano da Juventude será realizado em Santa Helena.
Depois da Eucaristia, os jovens projetaram um pequeno filme que haviam feito como historial da sua caminhada catequética ao longo destes dez anos. Gratidão, saudade e compromisso marcaram este pequeno documentário. 
Um obrigado sincero aos seus catequistas. A estes e a todos  os que trabalham na catequese paroquial. Parabéns aos pais, pois muito pouco a .catequese pode fazer sem o empenho continuado da família.
Obrigado à Laida, organista e outros instrumentistas, pelo contributo indispensável à preparação e realização desta festa jovem.
A todos os que de uma forma ou de outra deram a sua ajuda, os nossos parabéns.
Muito obrigado, senhor Vigário Geral. Pela presença tão humana e edificante, pela palavra clara que dirigiu, pelo incentivo, por nos fazer sentir Igreja. Bem-haja pela amizade, pela partilha, pela compreensão.

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Patriarca de Lisboa recebeu três balas que mataram cristãos na Síria

Vivem no coração do conflito na Síria, num mosteiro a cerca de 90 quilómetros de Damasco, e estiveram em Portugal para assistir às cerimónias do 13 de Maio no Santuário de Fátima. Em entrevista à Renascença, a Madre Superiora destas religiosas católicas de rito oriental conta como é ser cristão na Síria. A irmã conta ainda a história de três cristãos que morreram às mãos do Estado Islâmico, revelando que deu as balas que os mataram a D. Manuel Clemente, para ficarem no Santuário de Fátima.


Veja aqui

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Bispos do norte partilharam «preocupações» sobre novos estatutos dos centros sociais


Os novos estatutos das instituições particulares de solidariedade social, dos centros sociais e misericórdias estiveram em destaque num encontro de bispos portugueses em Bragança, que teve como anfitrião D. José Cordeiro.
Segundo um comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA, a iniciativa reuniu os bispos da Província Eclesiástica de Braga, mais da região norte, e que integra responsáveis católicos de Aveiro, Braga, Bragança-Miranda, Porto, Viana do Castelo, Vila Real, Lamego, Viseu e Coimbra.
Em declarações ao ‘Mensageiro de Bragança’, D. José Cordeiro realçou a importância dos participantes “estreitarem laços” e partilharem as suas preocupações, de modo a “aproximarem mais as suas realidades”.
Uma ideia acompanhada pelo arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, para quem é sempre “importante trocar impressões sobre realidades comuns”.
Os novos estatutos dos Centros Sociais e Paroquiais, bem como das Misericórdias, devem entrar em funcionamento até meados de novembro, depois de já terem sido aprovados pela Conferência Episcopal Portuguesa.
Entre outras medidas, o futuro modelo abre espaço para que leigos, religiosos ou religiosas sejam colocados à frente da gestão dos centros, libertando mais os sacerdotes para o desempenho da sua missão pastoral.
Outro dos temas em cima da mesa, na Fundação Betânia em Bragança, foi “o registo das pessoas canónicas” que abrange entre outros os institutos de vida consagrada e sociedades de vida apostólica, e que deve ser feito “no prazo de um ano”, salientou D. Jorge Ortiga.
agência ecclesia

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Papa queixa-se de jornalistas que descontextualizam as suas palavras

Em entrevista a um jornal argentino, Francisco fala da profunda tristeza que sente por situações como o drama dos refugiados da Birmânia e dos cristãos no Iraque. A nível pessoal assume ser temerário, que tem de dormir a sesta e se mantém a par dos resultados do seu clube, o San Lorenzo, apesar de não ver televisão devido a uma promessa. Há um guarda suíço que o informa dos resultados.

O Papa Francisco lamenta que alguns jornalistas deturpem as coisas que ele diz, confessando que se trata de um “inimigo” contra o qual ele nada pode fazer.

Em entrevista ao jornal “La Voz del Pueblo”, de Buenos Aires, na Argentina, afirmou que os meios de comunicação, por vezes, descontextualizam as palavras. “Há problemas que nos armam, com o que disse ou não disse”.

“O outro dia na paróquia de Ostia, perto de Roma, estava a cumprimentar as pessoas e tinham posto os idosos e os doentes num ginásio. Estavam sentados e eu passava e saudava-os. Então disse: ‘Que giro, aqui onde as crianças brincavam, estão os idosos e os doentes. Eu compreendo-vos porque também sou velho e também tenho os meus achaques, sou um bocadinho doente’. No dia seguinte saiu nos jornais: ‘O Papa confessou que está doente’. Contra este inimigo nada posso”.

Neste entrevista, publicada na íntegra no site do jornal, o Papa reconhece que muitas vezes corre riscos mas brinca dizendo que reza a Deus para que, se acontecer alguma coisa, pelo menos, não sinta dor. “Geralmente não tenho medo. Sou temerário, atiro-me sem medir as consequências”, afirma. “Quanto a atentados, estou nas mãos de Deus e nas minhas orações pedi-lhe: ‘Se tiver que ser, que seja, só peço uma coisa, que não doa”, afirmou, rindo-se.

“Nisso sou muito cobarde, não é que tenha medo de uma injecção, mas prefiro não ter problemas com a dor física, sou muito intolerante”, diz.

Noutra pergunta, o jornalista do “Voz del Pueblo” recorda as palavras do Papa em Manila, no Verão passado, sobre a importância de chorar e pergunta se ele o faz. Francisco confessa que fica muito emocionado com os dramas humanos.

“Como o outro dia ao ver o que acontece com os rohingya, que andam à deriva em barcos nas águas tailandesas e quando chegam perto de terra dão-lhes água e um pouco de comida e lançam-nos outra vez ao mar. Isso comove-me profundamente, esse tipo de dramas.”

As crianças doentes são outra coisa que entristece o Papa, bem como as visitas às cadeias. “Ninguém está seguro de que não venha a cometer um crime, uma coisa digna de encarceramento. Então eu pergunto porque é que Deus permitiu que eu não estivesse aqui e sinto dor eles e agradeço a Deus por não estar”, refere.

“Tipo pobre, mas bom tipo” Embora admita que nestas situações o Papa não chora em público, Francisco admite que já esteve próximo disso. “Ouve vezes que estive no limite, mas consegui controlar-me a tempo. Estava demasiado emocionado, houve mesmo umas lágrimas que escaparam”, diz, recordando que numa destas ocasiões tratava-se de um caso de “perseguição aos cristãos no Iraque. Estava a falar disso e comovi-me profundamente, pensar nessas crianças…”

Nesta entrevista de 30 minutos há ainda espaço para falar de futebol, com Francisco a dizer que se vai mantendo a par dos resultados do seu clube, o San Lorenzo, apesar de não ver televisão desde o dia 15 de Julho de 1990, devido a uma promessa que fez a Nossa Senhora do Carmo. Há um guarda suíço que o informa dos resultados do fim-de-semana, explica.

O Papa diz ainda que dorme por regra seis horas por noite, acordando sem despertador por volta das 4h00, mas precisa de dormir uma sesta durante o dia de pelo menos 40 minutos, caso contrário ressente-se.

Por fim, o jornalista pergunta se Francisco gosta que o chamem “o Papa pobre”, e responde com humor: “Se juntarem uma palavra a seguir, gosto. ‘Pobre tipo’, por exemplo”, mas logo volta a falar com seriedade. “A pobreza é o centro do Evangelho. Jesus veio pregar aos pobres, se tirares a pobreza do Evangelho não compreendes nada, tiras-lhe a medula”, afirma.

O Papa termina a entrevista a dizer que apenas quer ser recordado como “um bom tipo, que praticou o bem. Não tenho outra pretensão”.
Fonte: aqui

domingo, 24 de maio de 2015

Festa da 1ª Comunhão/2015

Estiveram muito bem as crianças que no dia 24 de maio fizeram a 1ª Comunhão.
Este ano foram 51.
Os pequenos portaram-se lindamente. Já se haviam confessado pela primeira vez. E como estiveram bem! Que delicadeza de coração!
Na Eucaristia, tiveram uma postura irrepreensível. Cantaram divinamente, proclamaram as leituras com clarividência, participaram com dignidade no cortejo de oferendas, souberam estar na celebração e edificaram com a maneira como comungaram. Que elevação! Que magia naqueles corações pequeninos!
Parabéns aos pais destes meninos. Souberam acompanhá-los, participar nos cânticos, marcar presença, sentir a alegria dos seus rebentos.
Um abraço do tamanho do mundo para os catequistas destas crianças e de todos os catequizandos. São fantásticos os nossos catequistas! Muito obrigado. Os responsáveis pelos ensaios fizeram um óptimo serviço. Como sempre. Obrigado.
Mas quem me marcou mais profundamente foram os  queridos "saltariquentos." Que maravilha! Obrigado, irmãos mais pequeninos!

sábado, 23 de maio de 2015

Francisco associou-se à beatificação do arcebispo salvadorenho, assassinado em 1980

O Papa associou-se hoje à beatificação de D. Oscar Romero, que reúne dezenas de milhares de pessoas em El Salvador, evocando a figura do arcebispo assassinado em 1980 como um exemplo na defesa dos mais pobres.


“Damos graças a Deus porque concedeu ao bispo mártir a capacidade de ver e ouvir o sofrimento do seu povo”, refere Francisco, numa carta dirigida ao arcebispo de São Salvador e presidente da Conferência Episcopal local, D. José Luis Escobar Alas.
D. Oscar Romero nasceu em agosto de 1917, em Ciudad Barrios (El Salvador) e foi morto a tiro no dia 24 de março de 1980 pela junta militar que dominava o país.
“O seu ministério distinguiu-se por uma particular atenção aos mais pobres e marginalizados. No momento da sua morte, enquanto celebrava o Santo Sacrifício do amor e da reconciliação, recebeu a graça de se identificar plenamente com Aqueles que deu a vida pelas suas ovelhas”, assinala o Papa.
A beatificação acontece depois de o pontífice argentino ter autorizado a 3 de fevereiro deste ano a publicação do decreto que reconhecia o martírio de D. Oscar Romero.
Francisco indica, na missiva divulgada pela sala de imprensa da Santa Sé, que o novo beato soube “guiar, defender e proteger” o seu povo num tempo de “difícil convivência”, permanecendo “fiel ao Evangelho e em comunhão com toda a Igreja”.
“Com coração de pai, preocupou-se com as ‘maiorias pobres’, pedindo aos poderosos que transformassem ‘as armas em foices para o trabalho’”, prosseguiu.
Segundo o Papa, esta beatificação é motivo de “grande alegria”, recordando a vida de um bispo que “construiu a paz com a força do amor” e testemunhou a sua fé até à morte.
“Que aqueles que tenham monsenhor Romero como amigo na fé, os que o invocam como protetor e intercessor, os que admiram a sua figura, encontrem nele força e coragem para construir o Reino de Deus, para se comprometerem por uma ordem social mais equitativa e digna”, escreve.
Francisco sustenta que a fé cristã gera comunidades de “paz e de solidariedade”, uma missão que continua a ser necessário num mundo necessitado de “misericórdia” e de “reconciliação”.
A carta conclui-se com votos de uma “verdadeira reconciliação nacional” em El Salvador.
“É necessário renunciar à violência da espada, do ódio e viver a violência do amor que Cristo deixou ao ser pregado na cruz, que faz com que cada um vença os seus egoísmos e não haja desigualdades tão cruéis entre nós”, pede o Papa.
In agência ecclesia

O HOMEM QUE SE «ESQUECEU»

Romero.jpg

  1. Houve um homem que se «esqueceu». Que se esqueceu de si. Houve um homem que só se lembrou de ser homem com os outros, para os outros e pelos outros.
  2. Houve um homem que praticamente se «esqueceu» de viver. E que, muito possivelmente, até seria capaz de se «esquecer» de morrer. Foram os outros que ditaram a sua vida. Foram os outros que decidiram a sua morte.
  3. Em suma, houve um homem que se «esqueceu» completamente de viver a sua vida. Mas do que esse homem nunca se «esqueceu» foi de viver inteiramente a vida dos outros.
  4. Na hora de escolher, D. Óscar Arnulfo Romero não fez as escolhas mais «convenientes». Olhou para cima, para o lado e olhou para baixo. Foi com os de baixo que quis ficar.
  5. O risco passou a ser a sua morada, mas a paz nunca deixou de o acompanhar no seu leito. Muitos o atacaram por fora e poucos o defenderam dentro. Houve até quem, — capciosamente — garantisse que ele tinha deixado de ser Óscar Arnulfo para passar a ser Óscar Marxnulfo!
  6. A trajectória não foi fácil e o percurso foi deveras acidentado. Nunca se reviu naquela espécie de «teologia caviar» que consola os pobres, mas sem abdicar do conforto dos ricos.
  7. Viveu sempre pobre e para os pobres. Pensou que bastava. E, durante muito tempo, por aí se ficou. Renunciou sempre às riquezas, mas nem sempre denunciou as injustiças cometidas pelos poderosos. É verdade que se calou quando muitos falavam. Acontece que começou a falar quando quase todos se calaram. Definitivamente, o seu destino parecia andar em total contramão com a história.
  8. Naquele final dos anos 70 em El Salvador, as ameaças eram sérias. Milhares de camponeses foram mortos e vários padres que os apoiavam foram assassinados. Que fazer? A prudência aconselharia que se recuasse. Só com muita coragem seria possível avançar.
  9. D. Óscar Romero tinha consciência dos perigos que corria, embora — humilde — não se achasse «digno da graça do martírio». Nos últimos tempos, a sua vocação tornou-se uma autêntica provocação.
  10. Só as armas o calaram. Mas nem a morte o silenciou. D. Óscar Romero já está nos altares. O seu lugar é junto de Deus. Mas o seu exemplo permanece — bem vivo — no meio dos vivos!
Fonte: aqui

Concerto para angariação de fundos para o Centro Paroquial

A Associação Filarmónica de Tarouca realizou, na noite de dia 22 de maio na Igreja Matriz de Tarouca, um concerto solidário de angariação de fundos para o Centro Paroquial.  Com a Banda, atuou  o famoso músico Frederic Cardoso, natural desta terra, dando assim especial ênfase  ao Concerto de K. Kurpinski.

O público presente  manifestou o seu contentamento através do silêncio durante a atuação da Banda e das prolongadas salvas de palmas.
Foi daqueles espetáculos que nos faz elevar o espírito e dar por bem empregue o tempo que ali ganhámos.
A música é das mais belas expressões do Belo e como tal tem especial capacidade de nos transportar para Aquele que é o autor de toda a beleza.
o Centro Paroquial diz, do fundo do coração, muito obrigado à Associação Filarmónica de Tarouca, seus diretores, maestro e músicos. Agradece igualmente a quem esteve presente e deu a sua oferta.
 

  
 

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima na Diocese de Lamego




A Imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima vai percorrer as Dioceses portugueses. No dia 13 de maio partiu do Santuário de Nossa Senhora de Fátima para a Diocese de Viseu. Na nossa Diocese de Lamego estará a partir do dia 26 de julho até ao dia 9 de agosto, data em que será recolhida, regressando ao Santuário de Fátima, para depois das férias voltar às outras dioceses. Esta iniciativa enquadra-se nas comemorações do Centenário das Aparições de Fátima, que se celebra em 2017.
A imagem vem dentro de um carro, resguardada por uma proteção de vidro, semelhante a um dos papas-móveis.
Na Diocese de Lamego, a imagem passará de uma a outra Zona Pastoral às 18h00. O dia indicado no calendário é o da receção.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

É tempo de os pais e as mães saírem do seu exílio

(Lusa)


Na audiência desta quarta-feira, o Papa Francisco pediu  que os pais assumam o seu papel na educação dos filhos, sem “autoexcluir-se” em favor dos “peritos”, sublinhando a importância da “sabedoria” e do “equilíbrio” na vida familiar.


QUE OS PAIS REGRESSEM DO SEU EXÍLIO
“É tempo que os pais e as mães saiam do seu exílio - porque se autoexilaram da educação dos filhos -, que regressem do seu exílio e assumam de novo plenamente o seu papel educativo”, declarou.
Perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro, Francisco lamentou que os pais recorram cada vez mais a especialistas para os “aspetos mais delicados e pessoais” da vida, pondo-se de parte.
“Assim, os pais correm o risco de autoexcluir-se da vida dos seus filhos e isto é gravíssimo”, alertou.
O Papa defendeu a importância da “sabedoria” e “equilíbrio” por parte dos pais, para que saibam acompanhar os filhos passo a passo e não exigir que percorram o caminho do crescimento sozinhos.
“Não exasperem as crianças pedindo o que elas não podem dar”, aconselhou.


AOS PAIS SEPARADOS: "nunca, nunca tomeis o filho como refém!"
Francisco dirigiu-se também às famílias com os pais separados, pedindo que os filhos não se tornem “reféns” de uma maledicência recíproca nem carreguem o peso da separação.
“Digo-vos a vós, casais separados: nunca, nunca tomeis o filho como refém! Vós estais separados por causa de muitas dificuldades e motivos, a vida deu-vos esta prova, mas que não sejam os filhos aqueles que suportam o peso desta separação”, advertiu.


PACTO EDUCATIVO: Inversão de papéis
O Papa insistiu na necessidade de reforçar o “pacto educativo” entre família, sociedade e escola, recordando um episódio da sua infância, quando a mãe foi chamada à escola por causa de um episódio com a professora e o repreendeu.
Hoje, lamentou, os papéis inverteram-se, e são os pais que repreendem os professores.


QUE O ESPÍRITO SANTO VENHA SOBRE OS EDUCADORES
No final da audiência, o Papa saudou todos os peregrinos de língua portuguesa, especialmente grupos do Brasil, Cabo Verde e Portugal.
“Supliquemos a vinda do Espírito santo sobre todos os educadores, em particular os pais, para que, com o seu exemplo, ajudem os mais jovens a crescer em sabedoria, estatura e graça. Que Deus vos abençoe”, concluiu.
In agência ecclesia

terça-feira, 19 de maio de 2015

SEM DEUS, NÃO SOMOS NADA

A fé é uma dependência, a única dependência salutar que existe.
E quando temos verdadeiramente fé? Segundo Óscar Romero, que vai ser beatificado no próximo sábado, começamos a ter fé «quando temos coração de pobre, quando sabemos que o capital financeiro e o poder não valem nada e que sem Deus nós próprios não somos nada».
Sem Deus, não somos mesmo nada!
Fonte: aqui

segunda-feira, 18 de maio de 2015

TOMADA DE POSSE DOS NOVOS CORPOS SOCIAIS DA SANTA CADA DA MISERICÓRDIA DE TAROUCA



Na tarde do dia 18 de maio, numa cerimónia realizada na Capela da Santa Casa (junto à Igreja Matriz), tomaram posse a Assembleia Geral, a Mesa e o Conselho Fiscal.

UTENTES? NÃO. HÓSPEDES!
Depois do Presidente da Assembleia Geral cessante ter usado da palavra, salientando a obra realizada e o legado deixado, falou o Provedor cessante. Lucílio Teixeira, visivelmente emocionado, elogiou o trabalho realizado pelas várias pessoas que fizeram parte dos sucessivos mandatos que integrou, salientou o trabalho colaborante e dedicado dos funcionários e historiou em pinceladas fortes a obra realizada ao longo dos 38 anos em que presidiu aos destinos da Misericórdia.
Após o compromisso solene prestado pelos novos eleitos, usou da palavra o novo Provedor, Rui Raimundo.
No estilo sóbrio, direto e franco que o carateriza, o novo Provedor  falou da atenção que a instituição tem de prestar aos novos pobres, os que têm vergonha de dizer que precisam. Apresentou uma forma colegial de dirigir a instituição onde cada eleito  exerça decididamente a sua função, sem que isso lhe retire a primeira responsabilidade. Disse que quer uma Santa Casa onde cada utente se sinta hóspede pela qualidade dos serviços prestados e pelo acolhimento e acompanhamento humanos dos que lá trabalham. Pediu ainda aos colaboradores e voluntários que coloquem alegria no trabalho, deixando os seus legítimos problemas familiares ou pessoais em casa.
O novo Presidente da Assembleia Geral, Eduardo Almeida, lembrou o carinho histórico que a Santa Casa recebe do concelho, centrando-se nos cortejos de oferendas que antigamente se faziam para a Misericórdia. Acontecimentos solidários e culturais, dado que cada terra trazia os seus ranchos e as suas músicas. Salientou ainda, a partir da sua experiência profissional, que há crianças  que, as únicas refeições que têm, são as que a escola lhes dá, relacionando tal facto coma crise e o desmembramento das famílias. A separação dos pais tem como vítimas os filhos que o manifestam no comportamento e noutras posturas. Por tudo isto, apostou numa Santa Casa aberta a quem precisa. As pessoas estão antes das obras...
Nesta mesma linha se pronunciou o Diretor da Segurança Social de Viseu que falou de intervenção Governo- IPSSs visando aliviar situações sociais de carência, com menos custos.
Valdemar Pereira, Presidente da Câmara, manifestou a disponibilidade da autarquia para colaborar franca e solidariamente com a Santa Casa para serem ultrapassadas as dificuldades sociais da população.

A GRATIDÃO
Todos os oradores quiseram explicitamente manifestar a gratidão pelo trabalho realizado pelas anteriores direções da Santa Casa. Especial ênfase foi posta no trabalho realizado pelo anterior Provedor, Lucílio Teixeira, pela notável obra realizada em prol da Santa Casa. Graças ao seu trabalho, a instituição expandiu-se imenso e, no dizer do representante da União das Santas Casas do distrito de Viseu, a Misericórdia de Tarouca é hoje aquela que mais variedade de serviços sociais oferece à população.
As palmas prolongadas que várias vezes ecoaram no local indicam bem o apreço das pessoas pela obra realizada.
Os homens passam, mas a obra fica como testemunho do valor das pessoas que a erigiram.

TAROUCA VAI ACOLHER A JORNADA DIOCESANA DA JUVENTUDE 2016


Se o tempo o permitir, Santa Helena será o local. Caso os caprichos do tempo o não permitam, teremos outro espaço.
Desde já, saudamos todos os jovens que nos virão visitar por ocasião da Jornada! Sejam bem-vindos!

domingo, 17 de maio de 2015

Encontro de Famílias na Igreja Paroquial de Tarouca


Neste Ano da Família, catequizandos e seus pais reuniram-se hoje de tarde na Igreja para um encontro que constou de 3 partes.

1. Momento de oração...
COM MARIA EM ORAÇÃO, SOMOS FAMÍLIA EM MISSÃO
 No momento de oração, apoiado pelo projetor, que escutou-se a Palavra de Deus, cantaram-se os louvores do Senhor, amigo e próximo de cada família e se Lhe agradeceu o dom dos pais e o dom dos filhos. Na oração intervieram pais e filhos. Saliente-se os momentinhos de silêncio para escutar Aquele que fala ao coração.
Este momento de oração foi preparado por alguns pais desta paróquia a quem felicitamos.



2. Informações gerais
- Informações gerais referentes à catequese e à realização das festas catequéticas que se aproximam.


3. Encontros sectoriais
Encontros sectoriais com os catequistas, visando acertar pormenores e intervenções.
Uma experiência nova

 Tal como acontecera na Festinha do Pai Nosso, também os pais dos meninos da 1ª Comunhão e da Profissão de Fé estiveram de acordo em participarem ativamente nas festas dos seus filhos, mormente através do canto.


Centro Paroquia
As famílias foram convidadas a olhar com carinho e generosidade para as obras do Centro Paroquial cujos beneficiário são também - e muito - os próprios pais e seus filhos.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

DIA DA FAMÍLIA

Celebra-se, hoje, o Dia da Família.
O Papa Francisco repetiu, na 4ª feira, o remédio para uma família ser feliz:
-Saber dizer, OBRIGADO; saber pedir DESCULPA; e saber dizer COM LICENÇA. Pequenas virtudes que ajudam o CASAL a construir a felicidade.
Felicito e rezo por todas famílias.

quinta-feira, 14 de maio de 2015

REUNIÃO GERAL DE PAIS e FILHOS - TODOS OS ANOS

17.5.2015, na Igreja Paroquial, às 15 horas

1ª parte: encontro celebrativo
2ª parte: comunicações gerais
3ª parte, destinada a encontros dos pais da Profissão de Fé e da 1ª Comunhão com os respetivos catequistas

17 Maio 2015 - ASCENSÃO DO SENHOR

Leituras:aqui


Concerto na Igreja de São Pedro - Tarouca


A Associação Filarmónica de Tarouca tem o prazer de convidar todos sócios, simpatizantes  e o público em geral a assistir ao concerto que se realizará no dia 22 de Maio na Igreja de São Pedro. Este concerto está inserido na angariação de fundos para o Centro Paroquial. Estão todos convidados.
Frederic Cardoso disse:
"No próximo dia 22 de Maio terei o prazer de interpretar na Igreja Matriz de Tarouca, minha terra natal, o Concerto de K. Kurpinski com a Associação Filarmónica de Tarouca.
Estão todos convidados."



(In faceboook)

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Oração pela Família e pelo Sínodo dos Bispos sobre a Família que vai ter lugar em Outubro

 
Jesus, Maria e José,
Em vós, contemplamos o esplendor do verdadeiro amor,
a Vós, com confiança, nos dirigimos.
Sagrada Família de Nazaré,
tornai também as nossas famílias
lugares de comunhão e cenáculos de oração,
escolas autênticas do Evangelho e pequenas Igrejas domésticas.
Sagrada Família de Nazaré, que nunca mais se faça nas famílias, experiência de violência, egoísmo e divisão: quem ficou ferido ou escandalizado depressa conheça consolação e cura.
Sagrada Família de Nazaré,
O próximo Sínodo dos Bispos possa despertar, em todos, a consciência do carácter sagrado e inviolável da família,
a sua beleza no projeto de Deus.
Jesus, Maria e José, escutai, atendei a nossa súplica. Amén.
Papa Francisco
 

12 de maio de 2015 - Procissão de Velas









Capela de Gondomar. Vinte horas e trinta minutos. Inicia-se a Eucaristia. Estava lá uma parte do coral.  Houve silêncio e participação. O andor da Senhora de Fátima estava muito bem ornado. O tema da homilia foi o lema do nosso Ano Pastoral para esta época: " Com Maria em oração, somos família em missão."
Inicia-se a procissão. Um mar de velas segue atrás da imagem. Cada pessoa traz também na mão um flor que lhe foi entregue pelos organizadores da festa. Reza-se o terço e canta-se, consagra-se a Nossa Senhora cada povo da paróquia e a paróquia inteira. 
Na Igreja Paroquial, completamente cheia, inicia-se a Bênção das criancinhas (até aos 3 anos). Muitos casais jovens com os filhitos pela mão e ao colo. Uma mãe lê um textozinho do Evangelho e uma mãe e um pai, em nome dos pais presentes, fazem a oração dos fiéis. O sacerdote precede à benção das crianças.
Segue-se um momento sempre especial. Cada pessoa vai colocar a rosa junto do andor e ali, ao pé da imagem da Mãe, deixa-Lhe um segredo. Quantos desabafos, quantos pedidos, quantos agradecimentos, quantas confidências Maria Santíssima acolheu hoje no seu coração de Mãe!!!Entretanto, uma música de fundo vai ajudando a criar o ambiente propício.
Parabéns ao povo de Gondomar que, este ano, organizou esta  festinha à Senhora de Fátima. Fê-lo com esmero, dedicação e generosidade. Para o próximo ano, é a vez de   Quintela, Vila Pouca e Ponte das Tábuas.
As muitas pessoas que marcaram presença certamente deram por bem utilizada esta parte da noite. Maria é sempre fonte de paz, aconchego, esperança.

domingo, 10 de maio de 2015

Teixelo - Nossa Senhora da Ajuda





Dia 10 de maio, Mês da Mãe de Deus. O povo de Teixelo celebrou a sua Padroeira, Nossa Senhora da Ajuda.
Após a Eucaristia na capela, seguiu-se a procissão com o andor da bela Imagem de Nossa Senhora da Ajuda pelas ruas da povoação.
Teixelo é um dos povos mais pequeninos e despovoados desta comunidade paroquial, mas as pessoas são simples, participativas e acolhedoras. E foi na simplicidade que quiseram louvar, bendizer e proclamar a Virgem Maria.
Parabéns à comissão, a todos os que colaboraram, ao povo.

sábado, 9 de maio de 2015

Adivinhe por que esta mulher muçulmana se tornou católica

Ela tem 31 anos, foi ameaçada de morte pelos seus pais e precisa viver com escolta policial 24h por dia
Sabatina James musulmana convertita cattolicesimo lotta diritti donne musulmane
Ela se esconde sob o pseudônimo de Sabatina James, tem 31 anos e é obrigada a viver com escolta policial 24h por dia, mudando regularmente de localidade na Alemanha.

Sua história também foi contada pela Newsweek: quando tinha 10 anos, sua família muçulmana sunita se transferiu de Lahore (Paquistão) a uma pequena cidade da Áustria. Aos 17 anos, voltou ao Paquistão, porque seus pais queriam celebrar sua união com um primo a quem a haviam prometido em casamento quando era criança. Ela se rebelou e então foi confinada em uma escola corânica sunita para que aprendesse a ser uma “paquistanesa decente”.

A dureza das suas condições a fizeram ceder, de maneira que seus pais, acreditando que agora ela queria se casar, deixaram-na voltar à Áustria para que terminasse seus estudos, para depois regressar ao Paquistão para casar-se. Ao chegar aos 18 anos, Sabatina fugiu, e a amizade com um colega de faculdade evangélico a levou a um itinerário de conversão, oscilando entre o protestantismo e o catolicismo.

Está sempre presente nela a advertência da comunidade islâmica na qual cresceu: entre os cristãos não há santos, suas igrejas estão vazias e seus prostíbulos, cheios. No entanto, apesar disso, os símbolos católicos a atraíam; a imagem de Deus que escolhe sofrer na cruz a comovia.

Sua primeira constatação foi a de que o temor de Deus professado pelos cristãos, baseado no amor, é diferente do temor de Deus professado pelos muçulmanos, baseado no medo. Seu amigo cristão lia passagens da Bíblia que lhe davam paz e serenidade, como o Alcorão jamais havia feito.

Sabatina recorda esses dias assim: “Cristo mostrava sua misericórdia às mulheres adúlteras, enquanto Maomé permitia que fossem lapidadas. Quanto mais eu lia o Alcorão, mais ódio sentia dos que eram diferentes dos muçulmanos; no entanto, como cristã, sinto amor por estas pessoas e desejo que recebam o mesmo amor que eu senti através de Jesus”.

Sabatina chegou a procurar um padre católico, mas no começo não recebeu muita atenção; alguns diziam que Maomé também foi um profeta, com medo de ofender o islã. Mais confusa do que antes, ela se orienta ao evangelismo, sofrendo as ameaças dos seus pais: se não voltasse atrás, eles a matariam. A polícia não a ajuda, mas a igreja evangélica sim.

No entanto, ela continuava sentindo que lhe faltava algo; seu fascínio pela experiência católica só aumentava, fazendo-lhe intuir interiormente que esta é a “Igreja verdadeira”; é um chamado interior. Então, ela decidiu se aproximar dos grandes Padres da Igreja, como Agostinho, Inácio de Antioquia e Irineu. As ameaças aumentaram, mas a força da nova conversão, agora ao catolicismo, deu-lhe o sorriso da paz interior e a plenitude de vida.

O encontro com Jesus agora é real, e o que mais impressiona Sabatina é esta passagem: “Eu, o Senhor, chamei-te realmente, eu te segurei pela mão, eu te formei e designei para ser a aliança com os povos, a luz das nações; para abrir os olhos aos cegos, para tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão aqueles que vivem nas trevas” (Isaías 42, 6-7).

Sabatina compreende que sua missão é apoiar as mulheres muçulmanas que se dirigem a ela porque foram espancadas e repudiadas pelos seus maridos ou porque querem sair dos seus países.

“E nós, os católicos – lamenta Sabatina –, muitas vezes ensinamos que todas as religiões são iguais, e assim fazemos que os católicos se convertam ao islã, para depois irem combater a jihad no Iraque.”

Com a fundação da qual se tornou embaixadora, “Terre de Femmes”, Sabatina luta hoje pela igualdade das mulheres muçulmanas. “Milhares de mulheres são torturadas e assassinadas em nome de Alá; nos últimos anos, só no Paquistão, mais de 4.000 mulheres foram queimadas vivas”, escreveu em seu livro “Minha luta pela fé e pela liberdade” (Ed. Palabra, 2013).
Fonte: aqui