sábado, 22 de julho de 2017

'Cristo é o meu Salvador’

 Uma coisa é afirmar: ‘Cristo é Salvador’; outra, muito diferente, é confessar: ‘Cristo é o meu Salvador’. O diabo pode fazer a primeira declaração. Só o cristão verdadeiro, todavia, poderá fazer a segunda.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Sobre os Batismos nesta Paróquia

1. Não é obrigatório ter padrinhos. O Código diz, no Cân 872: " Dê-se, quanto possível, ao batizado um padrinho..." . Sublinhe-se o "quanto possível".
Se por uma razão ou outra não é possível apresentar padrinhos que reunam as condições, então batize-se sem padrinhos.
2. Se os pais quiserem os padrinhos, então segundo o Código de Direito Canónico (Cân 872 e seguintes), podem escolher:
- um padrinho e uma madrinha
- ou só um padrinho
- ou só uma madrinha
3. Mas para alguém poder ser padrinho/madrinha tem que:
- ter 16 anos
- estar crismado
- viver de acordo com a lei da Igreja (ou é solteiro ou é casado catolicamente). Os recasados, os que vivem juntos, os que vivem em união de facto NÂO podem ser padrinhos).
Mas se uma pessoa se divorciou e vive como solteira, sem estar junta ou recasada, aí pode ser padrinho/madrinha.
4. Testemunhas:
- Uma criança pode batizar-se sem padrinhos, mas como testemunhas são todos os que participam na celebração, então conclui-se que mesmo as pessoas que NÃO reúnem condições para ser padrinhos, podem ser testemunhas.
- Assim os pais podem batizar o filho sem padrinhos mas com uma ou duas testemunhas. Ou com um padrinho/madrinha e uma testemunha.
5. No momento em que os pais aparecem para se inscrever para o batismo, devem colocar perante o responsável, sempre em verdade e em pormenor,  a questão dos padrinhos. Para evitar confusões e os pais serem informados devidamente.
6. Convém informar que o Papa Francisco nada alterou na lei no tocante ao Batismo e aos padrinhos.
7. Tente-se que os batismos se juntam o mais possível para não sobrecarregarmos a comunidade com batismos sucessivos.
8. Parabéns ao Dr. Tozé pelo ótimo trabalho que está a fazer como responsável pelos batismos. A Paróquia agradece.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

23 Julho 2017 – 16º Domingo do Tempo Comum – Ano A

video

Leituras: aqui

Comunidade cristã tarouquense solidária

Vítimas dos incêndios
Comunidade cristã tarouquense solidária
Às vezes pensamos só nas pessoas que sofreram horrivelmente com os incêndios e esquecemos os animais que igualmente são vítimas destes flagelos. Além disso, os animais são, para muitas pessoas, um factor importante de sobrevivência.
Os incêndios destroem a fonte de alimentação dos animais e, muitas vezes, o alimento armazenado para os mesmos....
Neste sentido, o tarouquense Manuel Gomes rumou até Pedógão Grande com um carregamento de fardos de feno para minorar a precária situação dos animais.

Também os cristãos da comunidade tarouquense mostraram a solidariedade para com as pessoas daquelas terras a quem o incêndio deixou numa situação de grande sofrimento. Através do peditório das Missas, seguiram 877,20€ como partilha.
E como a solidariedade não se apregoa, certamente muitas pessoas/instituições/grupos fizeram chegar a sua ajuda das mais variadas formas.
Foto de Centro Paroquial Santa Helena.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Um santo triste é um triste santo

“O cristão é um homem e uma mulher da alegria, um homem e uma mulher com a alegria no coração. Não existe cristão sem alegria! Mas, Padre, eu já vi tanta coisa! Não são cristãos! Dizem que são, mas não são! Falta-lhes alguma coisa. A carteira de identidade do cristão é a alegria, a alegria do Evangelho, a alegria de ter sido escolhido por Jesus, salvo por Ele, regenerado por Jesus. A alegria daquela esperança que Jesus espera de nós, a alegria que, nas cruzes e nos sofrimentos desta vida, se expressa de outra maneira que é a paz, na certeza de que Jesus nos acompanha. Está connosco”.
“O cristão faz esta alegria crescer com a confiança em Deus. Deus lembra-Se sempre de sua aliança. O cristão sabe que Deus se lembra dele, que Deus o ama, que Deus o acompanha, que Deus o espera. Esta é a alegria.” 
( Papa Francisco)

domingo, 16 de julho de 2017

Novena de Cristo Rei

16 de julho. Em plena novena de Cristo Rei, que diariamente se celebra na capela de S. João Batista (Gondomar), o pároco participou com o povo na referida novena, neste domingo celebrada na Capela de Cristo Rei.
No próximo domingo será a Festa de Cristo Rei, com Eucaristia às 12h, seguida de procissão.
Embora não estivesse muita gente, este momento da Novena foi belamente participado pelos presentes, tanto na contribuição ativa como no silêncio e na disponibilidade para escutar.
No fim da Eucaristia, o pároco salientou o papel da comissão que, em comunhão com o pároco, faz o que pode para dignificar aquele espaço religioso e turístico,
Cristo Rei é um lugar fantástico, digno de uma visita, quer pelo silêncio falante da Serra, quer pelo deslumbrante da paisagem que daí se observa.
Se de Santa Helena se observa uma paisagem ampla, absorvente e envolvente, de Cristo Rei tem-se uma paisagem mais concentrada, digamos, mais personalizada, mas igualmente deslumbrante,
O que falta em Cristo Rei:
- Construir um depósito que, com as sobras da fonte de Cristo Rei, garanta a água necessária para o combate aos incêndios. O depósito do Santuário, porque junto ao mesmo, não favorece a sua utilização pelos helicópteros, já que o movimento destes põe em causa a Estátua de Cristo Rei.
- Alcatroamento da estrada que liga Cristo Rei a Santa Helena. Se queremos um turismo de qualidade, não podemos esquecer este circuito turístico único que apoia e valoriza a nossa "catedral ao ar livre", que é a nossa Serra.
- A eletrificação do espaço de Cristo Rei é uma necessidade sentida há anos e que urge uma resposta.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

16 Julho 2017 – 15º Domingo do Tempo Comum – Ano A


Leituras: aqui
 
A Liturgia desse domingo convida-nos  a refletir  sobre a importância da PALAVRA DE DEUS e 
exorta-nos a ser uma "terra boa" que acolha a Palavra e produza frutos abundantes na vida de cada dia.
  
Na 1ª Leitura, o Profeta compara a Palavra de Deus à CHUVA. "Não voltará, sem ter cumprido a sua missão". (Is 55,10-11) 
* Ao Povo no exílio, já cansado e desiludido por não voltar à sua terra, o profeta anuncia que Deus é sempre fiel às suas promessas.
Sua Palavra é como a chuva e a neve: caem do céu e não voltam sem terem produzido o efeito.
Deus não esquece o seu povo, sua Palavra nunca falha.  
 
Na 2ª Leitura, Paulo ensina que o tempo da semeadura sempre é difícil, sofre-se com a dor e a espera, mas não se trata de um grito de morte, e sim do início de uma nova vida que vem chegando. (Rm 8,18-23)
 
No Evangelho, com a Parábola da SEMENTE e do SEMEADOR, vemos que o fruto da Palavra de Deus depende da qualidade da terra. (Mt 13,1-23) 
Com essa parábola, Mateus inicia o 3º Discurso de Cristo, composto de sete Parábolas do REINO, que escutaremos nos próximos 3 domingos.  
"O Semeador saiu a semear... a semente". Parte caiu:  
- no caminho... os pássaros vieram e as comeram...
  - no terreno pedregoso: brotou e logo secou.
  - no meio dos espinhos: os espinhos cresceram e sufocaram-na...
  - na terra boa: produziu 30, 60, 100 por um...
 
Jesus estava a encontrar dificuldade na aceitação de sua Palavra.
- Havia gente que não acreditava...
- Havia gente que embora simpatizasse com Jesus, logo desistia de segui-lo.
- Havia gente que via a mensagem de Jesus como uma ameaça: devia mudar de vida, afastar-se do poder, largar as riquezas...   Por isso, hostilizava e tramava a morte do próprio Jesus.
- No fim ficavam só alguns discípulos.
   Até eles tinham as suas dúvidas...
   Será que a palavra de Jesus estava a tornar-se ineficaz, sem força?
 
JESUS responde com a Parábola:
Apesar dos obstáculos, a semente não perde a sua força. Deus lança a sua semente em todas as direções, não recusa:
- nem aos pecadores endurecidos;
- nem às pessoas superficiais;
- nem às pessoas imersas nas preocupações do mundo (prazeres, negócios)...
  O Homem pode fechar-se à Palavra de Deus, rejeitá-la, mas sempre haverá terreno onde produzirá 30, 60, 100...
* O acolhimento do evangelho não depende nem da Semente, nem do Semeador,
   mas da QUALIDADE DA TERRA.
+ Diante da Palavra de Deus, há 4 TIPOS DE OUVINTES  que existiam naquele tempo e que continuam a existir hoje: 
- Há aqueles que têm um coração duro como a terra pisada de uma estrada: não permitem que a semente da Palavra de Deus penetre em seu coração.
E Satanás encarrega-se  de eliminar os grãos caídos que sobraram no chão. 
- Vem em seguida o coração inconstante, que se entusiasma com facilidade, mas depois desanima rapidamente diante das primeiras dificuldades. A Palavra de Jesus não pode criar aí raízes profundas.   
- Há os que têm um coração materialista. São até "muito religiosos", mas dão prioridade à riqueza e aos bens deste mundo. Essas preocupações são como espinheiros que sufocam a semente da Palavra. 
- Há também os que têm um coração aberto e disponível. Neles, a Palavra de Jesus é acolhida e dá muito fruto.
 
+ A Parábola  propõe-nos TRÊS PERGUNTAS: 
1. Que terreno somos nós ?
Muitas vezes questionamos o PREGADOR ("Semeador") da Palavra de Deus: "Foi comprido, foi repetitivo... foi pesado..."
Qual tal questionar também a nossa atitude de OUVINTES?  
2. Que semeadores somos nós?
- Cuidamos do nosso terreno, retiramos as pedras e espinhos que atrapalham? Procuramos aprimorar a semente que usamos, ou já tem validade vencida, porque não estudamos, não nos informamos, não nos atualizamos? (Na catequese, liturgia, canto, escola, família...) 
3. Vale a Pena semear?
A parábola de Jesus é uma Parábola de ESPERANÇA: Jesus é o Semeador, e nós também o somos, junto com ele...
Ele semeia em todos os terrenos, mesmo nos inférteis.
E algumas sementes acabam germinando...
O importante é semear o grão da esperança.
Semear o sorriso para que resplandeça ao redor de nós.
Semear as nossas energias para enfrentar as batalhas da vida.
Semear nossa coragem para reerguer a coragem do outro.
Semear o nosso entusiasmo, a nossa fé, o nosso amor... 
O Evangelho de hoje  garante-nos, que apesar do aparente fracasso, o sucesso do "Reino" está garantido; e o resultado final será algo  surpreendente e  maravilhoso.
Deus  garante-nos: "A palavra de Deus não voltará sem produzir o seu fruto"
 
            Põe a semente na terra, não será em vão.
 Não te preocupe a colheita, plantas para o irmão..." (Canto)                                            
                                   Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 16.07.2017

quarta-feira, 12 de julho de 2017

«Bíblia Jovem YOUCAT»


A Paulus Editora publicou a ‘Bíblia Jovem YOUCAT’, com prefácio assinado pelo Papa Francisco, onde afirma que “a Bíblia não é feita para ser colocada numa prateleira” e “é um livro extremamente perigoso”.
“A Bíblia não é feita para ser colocada numa prateleira, mas para ser levada na mão, para ser lida frequentemente. Têm nas mãos algo de divino: Um livro como fogo, um livro no qual Deus fala”, escreve o Papa.
No prefácio da nova publicação, o pontífice argentino refere que a Bíblia “é um livro extremamente perigoso” e contextualiza que em certos países quem tem uma “é tratado como se escondesse granadas no armário”.
Francisco explica também como lê a sua “velha Bíblia”, observa que “a Palavra de Deus não pode ser lida com “uma vista de olhos”” e dá sugestões aos jovens sobre como usá-la.
“Querem fazer-me feliz? Leiam a Bíblia!”, pede o Papa aos jovens.
Num comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA, a Paulus Editora informa que na Bíblia “para os jovens da Igreja Católica”, da coleção YOUCAT é uma coletânea dos “trechos bíblicos mais significativos” que ajudam os jovens a “inspirarem-se na Palavra de Deus”.
Cada livro bíblico é precedido por uma breve introdução de contextualização, nas margens das páginas há frases de “grandes santos e pensadores da Humanidade”, que atuam como “chaves de leitura do capítulo bíblico correspondente”.
Como é característico da coleção juvenil, a ‘Bíblia Jovem Youcat’ está “totalmente ilustrada”, com um grafismo leve e atual e inclui imagens da Terra Santa, fotografias de algumas das paisagens bíblicas.
A nova publicação que já se encontra nas livrarias da Paulus tem também indicações para o Catecismo da Igreja Católica, o YOUCAT, as perguntas dos jovens e “os famosos bonequinhos stickman”.
Segundo a editora católica a obra foi preparada por uma equipa de biblistas, doutores em Sagradas Escrituras, membros da Comissão Teológica Internacional da Santa Sé e professores do Pontifício Instituto Bíblico de Roma, durante três anos.
Agência Ecclesia

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Novena e Festa de Santa Helena em vídeo

video 
Vídeo de Diogo Lucena

FESTA DE SANTA HELENA 2017


CORREU BEM A FESTA
 
9 de julho. Festa de Santa Helena da Cruz. O dia na Serra acordou com nevoeiro. Pelo meio da manhã, o tempo compos-se e o clima ficou ameno e agradável. Bastante gente demandou aquele lugar. Ambiente de romaria, envolvido pela paz, sedimentado pela fé de tantos, condimentado pela alegria, vivido em serenidade, partilhado na amizade.

A VIVÊNCIA DA FÉ


 
 Dentro das condições físicas e climatéricas existentes, podemos dizer que as muitas pessoas que participaram nas Eucaristia das 9.30h e das 11.30 horas, souberam estar, participaram e criaram um clima propício à oração.
À tarde, a Bênção dos Campos e a Profissão do Adeus foram momentos marcantes na vivência da piedade popular. São momentos em que o coração agradece, se solta e em que a nostalgia da separação aviva o desejo de regressar.
Tal como durante a novena, também no dia da festa muita gente se abeirou do Sacramento da Reconciliação, levando da Serra a alma lavado, agradecido pelo perdão de Deus, reconfortada.

A PROCISSÃO

A seguir à Missa das 11.30h, teve lugar a procissão pelo circuito habitual.  As pessoas que pegaram nas alfaias sagradas tiveram um espaço reservado sob o teto da cobertura da Missa Campal. É justo e digno. Os irmãos que prestaram este serviço ao culto mereceram-no.
Quem fica a ver passar a procissão deve ter atitudes a condizer. Estar de pé, sem fumar, nada de conversas, e sem estar a comer ou a beber. Mesmo quem não acredita, deve ter um comportamento digno, tendo em conta o respeito que a fé dos outros sempre merece. O que, felizmente, se verificou quase sempre.
A FEIRA
Por trás do Calhau de Pendilhe, estende-se o espaço da feira. Roupas, calçado, comes e bebes, doceiras e outros... Muitos feirantes e gente e mais gente que demanda aqueles espaços, sobretudo o das tendas onde que come e bebe.
Há gente que só conhece Santa Helena até ao Calhau de Pendilhe. Isto é, que vai à festa para ficar na feira. A feira é o seu santuário e o seu deus.
Claro que há pessoas que já não estão para levar a merenda. É mais fácil e cómodo ir até à feira e alimentar-se. Tudo a respeitar neste aspeto. Mas só isso? Só feira? Onde fica Deus na vida de tanta gente?
Não estou a dizer que todos procedem desta maneira. Nada disso. Há quem vá a Santa Helena como peregrino e aproveite para feirar.  Muitos, felizmente.
Pelos resíduos deixados no local ao fim do dia, conclui-se que o negócio esteve em alta.
A feira é sempre a maior dor de cabeça para a Comissão. O domingo correu muito bem, com muita paz, com geral acatamento das orientações.
Todo o feirante de bem, disposto a cumprir as orientações, é bem-vindo. Quem não o quiser fazer, agradece-se que não apareça, porque não faz falta.
9ºDia de Novena
A Novena de Santa/2017, terminou com a Eucaristia celebrada no altar campal pelo P.e Sousa Lara, que, na homilia, abordou o tema: “IDE POR TODO O MUNDO E ANUNCIAI A BOA NOVA A TODA A CRIATURA” .
Ide, este imperativo do Senhor é para todos, todos os batizados. É preciso ir, mesmo que não tenhamos que sair da vida quotidiana. Ir e anunciar com alegria Jesus Cristo, o Senhor, junto de familiares, amigos e colegas.
Aliás este tema é também do  Ano Pastoral prestes a encerrar. Recorda-nos sempre que cada batizado é um enviado.
GRATIDÃO
Agradecemos ao nosso Bispo, D. António,  a sua presença, a palavra sábia de Pastor, a amizade demonstrada.   Aos senhores padres que estiveram presentes, dizemos obrigado pela comunhão sacerdotal demonstrada e pelo serviço no Sacramento da Reconciliação. Um bem-haja muito sentido ao Senhor P.e  Sousa Lara, pregador da novena, pela maneira bela como nos comunicou a Palavra de Deus, pela forma multo humana e cativante como soube estar entre nós. Dizemos obrigado ao coral da novena e da festa, aos leitores, aos acólitos,  aos que recolheram as esmolas e atenderam os peregrinos, ao senhor Amândio que conduziu a carrinha no transporte de novenistas, aos dadores de flores e aos que as colocaram nos andores, aos que ofereceram  comestíveis para a casa,  ofertas para a capela, a quem ofereceu trabalho, sempre precioso, a quem teve uma palavra de apoio e de incentivo. Um bem-haja às zeladoras da Irmandade de Santa Helena pela maneira disponível como atenderam e acolheram os irmãos; ao sacristão pela competência revelada;  à cozinheira pela maneira alegre e disponível como preparou as refeição, bem como ao grupo de senhoras que ajudaram nas refeições; às pessoas que estacionaram na Serra, pois foram fantásticas, amigas, alegres e colaborantes; a todas as pessoas que participaram nas novenas, pela sua fé vivida, partilhada, edificante; a todos os peregrinos e romeiros que demandaram Santa Helena pela ocasião da Festa.
Aos senhores Presidentes da Câmara e da Junta dizemos também obrigado pela disponibilidade em apoiar sempre. Ambos, cada um a seu modo, mostraram total disponibilidade para ajudar, cada um no seu âmbito de acção. Um obrigado sentido e profundo a todos os elementos do Conselho Económico, suas esposas e filhos. 
O Conselho Económico é fantástico, não só pelo empenho que demonstra por este lugar, como pelo trabalho, dedicação e competência que oferece a Santa Helena, ao longo do ano, pois na maior parte dos domingos a capela e o bar estão abertos e vários outros trabalhos são realizados. Na Festa, então, dão o litro para que tudo corra bem. Muito obrigado.
Obrigado a todos pela generosidade. 




sábado, 8 de julho de 2017

8º DIA DE NOVENA E PREPARAÇÃO DA FESTA

Neste penúltimo dia de Novena, O P.e Lara falou da devoção e da importância do Terço na piedade, vida e santidade dos crentes, como Nossa Senhora recomendou em todas as aparições de Fátima.
Durante este dia, uma excursão de 3 autocarros visitou Santa Helena. As pessoas ficaram de boca aberta perante a beleza e espetacularidade da paisagem.
Durante todo o dia, a Comissão em alta voltagem. Trabalho intenso, generoso, voluntário. Prepararam
... o ambiente, acolheram quem chegou e orientaram a feira.
À noite, a azáfama da preparação para a festa. Felizmente muitos voluntários colaboram com a Comissão nos preparativos. E contentes! Felizmente chegaram muitas flores e agora há que arranjar os espaços litúrgicos e preparar as alfais.
Santa Helena a todos atenda. Quem por ela trabalha e quem a visita com devoção.
Foto de Centro Paroquial Santa Helena.Foto de Centro Paroquial Santa Helena.Foto de Centro Paroquial Santa Helena.Foto de Centro Paroquial Santa Helena.Foto de Centro Paroquial Santa Helena.Foto de Centro Paroquial Santa Helena.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

7º Dia de Novena

Tema de hoje
O P.e Lara falou hoje do Sacramento Santíssimo da Eucaristia, o mais importante de todos os sete Sacramentos, porque n'Ele celebramos o próprio Cristo, tão real e perfeitamente como está no Céu.
Sacramento-maravilha da prova do amor de Cristo pelos homens. Por isso a Santa Missa (Eucaristia) é muito superior às aparições, às idas a pé a Fátima, a qualquer oração. A Eucaristia é a oração por excelência da Igreja.
Teceu depois algumas orientações práticas:
- Ir antes um 1/4 de hora para a Igreja para preparar o espírito para a celebração;
- Comungar depois de cada um ver se está preparado (não ter pecados mortais)
- Ler as leituras em casa para se estar melhor preparado para acolher a Palavra de Deus;
- Apreciar e saborear aquele momento após a comunhão, falando com o Senhor que recebemos no coração;
- Valorizar e participar na Missa de cada dia se for possível;
- Quando chegarmos à eternidade e reconhecermos a beleza excelsa da Missa, arrepender-nos-emos da pouca importância que lhe demos neste mundo;
- Tão habituados estamos às coisas santas - a Missa é santíssima - que nem reparamos na beleza do mistério que celebramos.
- Cristão sem Missa é como corpo sem coração.

Vida de Santa Helena - Apelo para o homem de hoje


COM SANTA HELENA,
A CRUZ É O SINAL DO CRISTÃO
Vimos como episodicamente a Cruz se impôs ao Imperador Constantino. Reparámos como sua mãe procurou, achou e adorou a Cruz do Senhor!
Antes do édito de Milão, no meio das perseguições, os seguidores de Jesus Cristo identificavam-se com a figura do peixe cujas letras iniciais em grego correspondem ao siglado de “Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador”. Não é que a Teologia da Cruz, desenvolvida e pregada por S. Paulo, não estivesse viva no coração e na mente dos discípulos; mas as questões de precaução impunham que publicamente houvesse algum recato e não se expusesse ao gáudio maledicente dos pagãos aquilo que era de mais caro à Redenção.
Com a acção de Helena em prol da Cruz e da morigeração dos costumes, pela produção legislativa e pela orientação política do magno imperador, a Igreja respirou fundo e pôde ostentar todas as insígnias marcantes desta religião revolucionária. Assim, o monograma de Cristo passou a figurar em monumentos das liturgias e da oficialidade e a Cruz passou a ser reconhecida e venerada como símbolo da vitória gloriosa sobre o combate singular travado entre Cristo e o Demónio.
O dístico da visão constantiniana “In hoc signo vinces” (com este sinal vencerás) passou a ser a palavra de ordem quer para as lutas diárias contra o mal quer quando os inimigos da fé tentam levar os crentes ou à abjuração ou ao pecado.
De entre a multidão de homens e mulheres que se devotaram à Cruz como árvore redentora e fautora da unidade eclesial, destaquem-se S. Paulo da Cruz e S. João da Cruz em que se misturaram a adoração mística e o fervor apostólico sob a moção da contemplação unitiva ao mistério do Verbo Incarnado e da sede de almas que o Senhor sentiu no alto da Cruz e que incute pelos séculos dos séculos aos seus mais aguerridos servidores.
 SANTA HELENA
PERDURA NA MEMÓRIA DO TEMPO
Não é demais repetir que Santa Helena fica indelevelmente registada nas Actas dos Santos ciosamente guardadas no Vaticano. Para lá de quanto possamos afirmar em contrário duvidoso, assinale-se quão diversificado é o número daqueles que a Ela se referem ao Longo da História da Igreja.
Se é certo que algumas aportagens se revestiram do cepticismo provocado pela usura do tempo, não menos fidedigno é o testemunho documental e não menos inequívoco será o sentido dinâmico de que disfruta a tradição fecunda na estabilização da doutrina e dos seus fundamentos.
A atestar tão claro apontamento, estão os múltiplos devotos, secundados por tantos e tão variados locais de culto à Santa: Basílicas e Igrejas, Santuários e Ermidas, sem descurarmos anónimas e modestas capelas.
Nem outra coisa seria de esperar de alguém que, no perfil da mulher forte de que nos fala a Bíblia, pautou o melhor da sua vida pelo sofrimento discreto, pela luta contra a intriga, pela aposta séria nas obras de misericórdia corporais e espirituais e pelo achamento e adoração do instrumento redentor. Não podemos esquecer o seu fino tacto educacional espelhado talvez mais na acção do que nas palavras, na sugestão de atitudes mais do que na fiscalização de comportamentos.
Por tudo quanto acabamos de expor, Santa Helena da Cruz é um farol polivalente de misticismo e de acção, de sofrimento e de apostolado, de labor e de oração.

A MEMÓRIA DO JUSTO SERÁ ETERNA

Piedosos devotos, neste último dia de retiro espiritual aberto a todos os que de boa vontade se dignaram fazer a sua sacrificada ascensão a esta Montanha Santa, a todos quantos quiseram de bom agrado privar da intimidade com Deus neste santuário, vai inteirinho o apelo do alto: Não vos deixeis enredar pelo materialismo da vida!Quereis a recompensa pelos vossos sofrimentos
Afeiçoai-vos à Cruz.
Quereis a prosperidade já neste mundo?
Afeiçoai-vos às coisas do alto e pugnai pela reinstalação dos valores do espírito.
Quereis assegurar a perenidade do vosso nome pelos séculos dos séculos?
Praticai a justiça, acolhei os irmãos e disponde de todos os momentos para estabelecerdes o diálogo com Deus e a seriedade para convosco próprios.
Não é pela riqueza ou pelo prestígio que conseguireis a glória para as vossas vidas e o gaudio da felicidade com o Senhor. A glória do mundo está carregada de vaidade e tem em si o carácter passageiro da vida.
A meta do cristão é o Cristo da Cruz redentora a abrir caminhos irreversíveis de Ressurreição.
Os instrumentos da Paixão do Nosso Salvador serão as joias insignes de todos quantos juraram a fidelidade ao Deus Criador, ao Filho que redime e ao Espírito
que santifica.
Viestes ao Santuário. Deus prossiga em vós o bem que em boa hora começou.
Que Santa Helena esteja a vosso lado sempre e que a Mãe das Dores vos conforte! Segui com elas o caminho do Sumo Bem!
Louvada seja sempre na Terra a Virgem Santa Maria! E que Deus seja, louvado e bendito em todos os seus anjos e santos. Que a Gloriosa Santa Helena da Cruz nos sirva de luzeiro e guia na vida e não se canse de rogar e interceder por nós junto de Deus!