terça-feira, 31 de maio de 2016

Mãe, nunca permitas que se faça noite nos nossos corações



Ao terminar o Mês de Maria...
Mãe, nunca permitas que se faça noite nos  nossos corações.
Quando as trevas das inseguranças, da dor, do isolamento, das dificuldades, do sofrimento nos invadirem. Sejas sempre Tu, ó Mãe, a nossa luz e o nosso caminho luminoso, que nos conduzirá sempre à Luz de Cristo!
Um bom dia!!!




segunda-feira, 30 de maio de 2016

A IGREJA É PARA TODOS, MAS NÃO É PARA TUDO

1. Um dos valores matriciais da convivência é o respeito.
Deste respeito não hão-de ficar fora o espaço sagrado e os... actos sagrados. Nem será preciso invocar normas. Bastará seguir o bom senso.
2. Todos sabem que a experiência religiosa é, por excelência, uma experiência de escuta.
Daí que o ambiente no espaço sagrado deva primar pelo silêncio.
3. Quem tem fé compreenderá com facilidade. E quem não tem fé também perceberá sem dificuldade.
É por isso que se pede que, antes das celebrações e como forma de ambientação, haja silêncio na igreja, na sacristia e até à volta do templo.
4. Sei que não é por mal, mas, nos últimos tempos, chega-se a uma igreja e o que avulta é o ruído.
A vontade de conversar sobrepõe-se ao direito de meditar. Parece que se pode falar com todos menos com Deus. Parece que se ouve toda a gente, menos a voz de Deus.
5. Como se isto não bastasse, já se vêem pessoas a entrar com bonés e chapéus, com fatos de praia, a beber, a comer (sobretudo gelados), a mastigar (rebuçados ou pastilhas elásticas), a atender o telemóvel ou a consultar a net.
Isto colide frontalmente com a natureza do lugar e das celebrações que nele decorrem.
6. Sobra, ainda, um problema para quem tem a missão de conduzir o povo de Deus.
Se intervém, arrisca-se a ser incompreendido e até maltratado. Se não intervém, acaba por consentir o que não pode aprovar. Ou seja, é uma situação sempre delicada.
7. Acresce que, à medida que o tempo passa, há uma tendência para transformar a excepção em regra.
Já se agenda quase todo o tipo de actividades para as igrejas.
8. Não raramente, prevalece a impressão de que a igreja é para tudo, excepto para aquilo que ela existe: rezar.
Até parece que o incorrecto tem mais espaço que o correcto.
9. A Igreja é para todos, mas não é para tudo.
Só que é complicado gerir as situações concretas e os factos que muitos dão como consumados.
10. Apesar de tudo, creio não ser impossível restituir a dignidade aos lugares e a beleza às celebrações.
Para glória de Deus. E bem-estar de todos!
João António Teixeira

domingo, 29 de maio de 2016

Quando Maria atende o telefone para Jesus

Uma curiosa (e comovente) comparação sobre os nossos pedidos feitos a Jesus ou feitos a Maria
Maria e Jesus
Ver aqui

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Profissão de Fé 2016


No dia 26 de maio, Solenidade do Corpus Christi, os catequizandos do 6º ano fizeram a sua Profissão de Fé. Aliás, nesta comunidade paroquial, a profissão de Fé realiza-se todos os anos.
Eles cantaram, leram, responderam, participaram . A festa foi deles e eles foram a festa.
Este grupo de catequizandos tem muitas potencialidades. Oxalá que nunca lhes faltem o exemplo e o testemunho de seus pais, o empenho dos catequistas e a vivência cristã da comunidade para continuarem o seu amadurecimento na Fé, rumo à etapa seguinte: o Crisma.
Crescei, amiguitos, saboreando a presença amiga e libertadora de Cristo na vossa vida!
Apesar da saturação natural que o fim do ano sempre acarreta; apesar das actividades em que muitos deles estão/estiveram envolvidos, a maioria levou a preparação próxima muito a sério. Não admira, por isso, que tenham estado  bem, mormente nos cânticos que sempre exigem bastante treino.
Parabéns, amiguitos! Que guardeis no coração pela vida fora aquilo que tantas vezes repetimos sobre Cristo "Creio em Ti, Senhor".
Saudamos os pais que pela disponibilidade, agradecemos aos catequistas, aos ensaiadores, aos zeladores, e a todos os que colaboraram. Um abração enorme para vós, amiguinhos. Quanto esperamos todos de vós!
Que Cristo seja sempre o centro das vossas vidas.
Saudamos igualmente com alegria um grupo dos meninos que vão fazer a 1ªComunhão e que marcaram presença na Missa, procissão e oferta de uma flor a Nª Senhora.

Consagração da Paróquia ao Sagrado Coração de Jesus 
 Pela voz dos zeladores, consagrou-se a Paróquia ao Sagrado Coração de Jesus!
Abençoai, Jesus Amor, as nossas famílias, as nossas crianças, os nossos jovens, os nossos velhinhos, os nossos casais, toda a nossa comunidade!
Parabéns à Associação do Sagrado Coração de Jesus pelo trabalho realizado e obrigado pelas prendas aos catequizandos nas festas destes.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Bento XVI reafirma que publicação do Segredo de Fátima está completa


Papa emérito rompe silêncio para rejeitar informações contrárias, que considera «puras invenções».


Veja aqui

Conselho Pastoral Arciprestal


Reuniu na tarde do dia 22 de maio, o Conselho Pastoral Arciprestal do Arciprestado Armamar/Tarouca, com a presença dos representantes de cada Conselho Pastoral Paroquial
e de representantes de cada Sector Pastoral do Arciprestado. Igualmente estiveram presentes os sacerdotes do Arciprestado responsáveis por cada um dos Sectores de Pastoral.
Foi um encontro de apresentação e para os presentes ficarem a saber a função de um Conselho Pastoral Arciprestal.
Saliente-se o bom espírito eclesial reinante e a vontade dos participantes em darem o melhor para a prossecução das finalidades deste organismo.

sábado, 21 de maio de 2016

JORNADA DIOCESANA DA JUVENTUDE 2016

Tarouca, em 20 e 21 de maio
No dia 20, com a bela Vigília na Igreja Paroquial de Tarouca, seguida da largada de balões com as Bem-Aventuranças. Em 21, a Jornada decorreu no ambiente natural único que é Santa Helena. Apesar do vento desagradável, o dia correu bem. O vento fez lembrar o amor de Deus que nos desinstala e varre o lixo da nossa vida, fazendo-nos respirar melhor a liberdade que nasce do amor de Deus.
Parabéns aos nossos jovens, aos jovens da diocese que marcaram presença, à equipa responsável e ao P. Bráulio


segunda-feira, 16 de maio de 2016

BATISMO – padrinhos ou testemunhas?

batismo
Sobre o tema do Baptismo, e à volta dele, vêm-me à ideia seis nomes, seis modelos e seis funções: o padre, o pai e o padrinho, a madre, a mãe e a madrinha.
O pai e a mãe geraram a criança para a Vida Humana; o padre e a madre igreja geram a criança para a Vida Divina. Por isso mesmo se chamam padre – pai, e madre – mãe.
Padrinho é diminutivo de pai: paizinho. Madrinha é diminutivo de mãe: mãezinha. Um e outro, compadres, ou seja, “como pais” ou “compais”.
Assim sendo, o padrinho deve ser um segundo pai, e a madrinha uma segunda mãe. O povo sempre disse que, se os pais da criança faltassem, eram os padrinhos quem tinha de tomar conta dela, para a educarem e criarem.
 Do padrinho e da madrinha esperava a Igreja e o seu Código que, para além de testemunharem o acto, assumissem o compromisso de ajudarem os pais da criança na educação e no crescimento da sua fé.
Ora, o que se tem verificado (e todos dizem), é que os padrinhos se transformaram em figuras tradicionais, sem responsabilidade alguma, peças quase decorativas que, uma vez por outra, não existindo, até chegaram a ser substituídos por imagens de santos e efígies de padroeiros. Os livros de assentos paroquiais mais antigos o comprovam.
Lá para trás, nos tempos de verdadeira pobreza, o que os pais esperavam dos padrinhos era quase exclusivamente que eles dessem o enxoval, pagassem o pé de altar e ficassem seus compadres para deles receberem apoio, ajuda e amizade. Era por isso que, na medida do possível, se escolhiam pessoas de poderes, de haveres e de influências.
Nesses tempos, quase não existiam casais juntos ou divorciados, e quase todos os católicos eram frequentadores dos Sacramentos.
As coisas foram andando e hoje, com as liberdades individuais de opção que todos têm, e que a Igreja respeita, muitos católicos que os pais escolhem para padrinhos dos seus filhos não estão em condições canónicas para desempenharem tal função: ou porque não são praticantes, ou porque a sua vida moral ou conjugal não está de acordo com os ensinamentos de Jesus nem com as normas estabelecidas pela Igreja. E aí surgem os problemas. Os párocos ficam cada vez mais no dilema de aceitar tudo e tudo deixar correr para não terem problemas nem sofrerem incómodos, ou de cumprirem as normas e obedecerem à sua consciência.
De facto, que testemunho de Fé e de Vida Cristã podem dar aos seus afilhados, padrinhos que não frequentam a Igreja nem recebem os Sacramentos, ou se encontram em situação moral ou conjugal oposta ao Evangelho e às Leis da Igreja?
Não se passa o mesmo na celebração do Matrimónio. O cânone 1108 do Código de Direito Canónico em vigor, exige que a celebração do Matrimónio ocorra com a presença de duas testemunhas.
Ser testemunha não é o mesmo que ser padrinho.
Testemunha, qualquer pessoa adulta e lúcida o pode ser. Basta assistir e assinar. Padrinho ou madrinha, não. Tem que assumir responsabilidades sérias na educação da fé dos afilhados, e ter condições para o fazer.
Assim sendo (quem sou eu para o dizer), já que os padrinhos não assumem na realidade tais responsabilidades, porque continuamos a manter essas figuras decorativas e não os substituímos por simples testemunhas? É que assim, todas estas situações que tantos dissabores causam aos párocos, ficavam automaticamente resolvidas. Para testemunhar um acto ou uma celebração, qualquer um serve.
Mas isso, julgo eu, só o Papa para a Igreja Universal ou a Conferência Episcopal para cada país ou região, o poderão fazer.
Quem sou eu para o exigir?
Quem sou eu sequer para o sugerir?
 Joaquim Correia Duarte, in Voz de Lamego,

domingo, 15 de maio de 2016

Mais de duas mil pessoas na «Caminhada pela Vida» 2016

Veja aqui

Reunião de pais dos catequizandos do 3º e 6º anos

Decorreu em 15 de maio a reunião dos pais das crianças que vão fazer a 1ª Comunhão e a Prof. de Fé.

Referindo-se à Festa do dia, o Pároco falou do Espírito Santo, dom de Deus. Sem a ajuda do Espírito, nada de bom e de belo é possível. Abordou os símbolos bíblicos do Espírito Santo e salientou o Seu papel como alma da Igreja.
Posteriormente falou dos Sacramentos como sinais eficazes de graça e ações salvíficas de Cristo que Ele confiou à sua Igreja. Relacionou os sacramentos como as várias etapas da vida, afirmando que Deus misericordioso vem ao nosso encontro em cada fase do nosso viver para nos salvar. Esclareceu as pessoas acerca dos Sacramentos da Iniciação Cristã e, porque Deus respeita a liberdade com que nos criou, Ele oferece a salvação,  mas não impõe. Daí a importância da adesão livre a Cristo e aos Sacramentos.
Depois o Pároco e a Coordenadora da Catequese prestaram vários esclarecimentos  sobre as próximas festas da catequese. Assim:

1. Profissão de Fé, em 26 de maio, às 11 horas
- De 11 a 25 de maio, na Igreja Paroquial, às 18.30h, haverá catequese e ensaios para TODOS os catequizandos que vão fazer a Profissão de Fé
- Em 25 de maio, serão as confissões para os catequizandos e seus pais, às 18h
- Os meninos devem trazer a túnica, a vela –se possível a do batismo – e uma flor para Nossa Senhora
- Os pais devem participar ativamente na procissão do Santíssimo, levando as alfaias
- Disposição habitual na Igreja

2. 1ª Comunhão, 5 de junho, às 11 horas
- De 30 de maio a 4 de junho, na Igreja Paroquial, às 18.30h, haverá catequese e ensaios para TODOS os catequizandos que vão fazer a 1ª Comunhão
- Em 4 de junho, serão as confissões para os catequizandos da 1ª Comunhão e seus pais, às 15h
- Cada criança vem vestida como os pais entenderem, mas evitem luxos que os distraiam do essencial
- Os meninos da 1ª comunhão devem participar na Procissão do Corpo de Deus e trazer também uma flor para Nossa Senhora
- Disposição habitual na Igreja
3. Os catequizandos do 6º ano que o desejem participarão na Peregrinação das Crianças a Fátima em 9 e 10 de junho. Os pais precisam de os autorizar por escrito. O contributo de cada criança é de 5 euros.
4. O Encerramento da catequese será em 11 de junho.

Seguidamente, em encontros separados com os respetivos catequistas, os pais trataram de pormenores práticos tendo em contas as festas da catequese.

sábado, 14 de maio de 2016

Quem é o Espírito Santo?


O Espírito Santo é uma pessoa real que veio habitar nos verdadeiros seguidores de Jesus Cristo depois que Jesus ressuscitou dos mortos e ascendeu ao céu (Atos 2). Jesus disse aos Seus apóstolos:
“E eu pedirei ao Pai, e ele vos dará outro Conselheiro para estar convosco para sempre, o Espírito da verdade. O mundo não pode recebê-lo, porque não o vê nem o conhece. Mas vós conheceis, pois ele vive convosco e estará em vós. Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós.” (Jo 14,16-18)
O Espírito Santo não é uma sombra vaga e etérea, nem uma força impessoal. Ele é uma pessoa igual em todos os sentidos a Deus Pai e a Deus Filho. Ele é considerado a terceira pessoa da Trindade. Jesus disse aos seus apóstolos:
“Então, Jesus aproximou-se deles e disse: “Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra. Portanto, ide e fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu vos ordenei. E eu estarei sempre convosco, até o fim dos tempos.” (Mateus 28,18-20)
Deus é Pai, Filho e Espírito Santo. E todos os atributos divinos atribuídos ao Pai e ao Filho são igualmente atribuídos ao Espírito Santo. Quando uma pessoa nasce de novo, crendo e recebendo a Jesus Cristo (João 1:12, 13; 3:3-21), Deus habita nessa pessoa por meio do Espírito Santo (1Cor. 3:16). O Espírito Santo tem intelecto (1Cor. 2,11), emoção (Rom 15,30) e vontade (1Cor 12,11).
Um dos papéis principais do Espírito Santo é que Ele testemunha sobre Jesus Cristo (Jo 15,26, 16,14). Ele fala ao coração das pessoas sobre a verdade de Jesus Cristo. O Espírito Santo também age como um mestre dos cristãos. Ele revela aos cristãos a vontade e a verdade de Deus. Jesus disse aos seus discípulos:
“Mas o Conselheiro, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e  fará lembrar tudo o que eu vos disse.” (João 14,26)
“Mas quando o Espírito da verdade vier, ele vos guiará para a verdade total. Não falará de si mesmo; falará apenas do que ouvir, e vos anunciará o que está por vir.” (Jo16,13)
O Espírito Santo foi dado para viver dentro daqueles que crêem em Jesus, para fazer com que o caráter de Deus seja produzido na vida do cristão. Já que não podemos fazer o que é certo por nós mesmos, o Espírito Santo produzirá em nossas vidas amor, alegria, paz, paciência, bondade, benignidade, fidelidade, mansidão e domínio próprio (Gal5,22, 23). Ao invés de tentarmos ser amáveis, pacientes, bondosos, Deus nos chama a depender d'Ele para produzir essas qualidades na nossa vida. Assim, os cristãos são chamados a andar no Espírito (Gal 5,25) e ser cheios do Espírito (Ef 5,18). E o Espírito Santo capacita os cristãos para realizarem os deveres ministeriais que promovem crescimento espiritual entre os cristãos (Rom 12, 1; Cor12, Ef 4).
O Espírito Santo também realiza uma função para os não cristãos. Ele convence o coração das pessoas sobre a verdade de Deus, mostrando quão pecadores nós somos – necessitados do perdão de Deus; e quão justo Jesus é – Ele morreu em nosso lugar, por nossos pecados; e sobre o julgamento final de Deus, que julgará o mundo e aqueles que não O conheceram (Jo 16,8-11). O Espírito Santo atua em nossos corações e mentes, chamando-nos  para nos arrependermos e nos voltarmos para Deus, para recebermos perdão e uma nova vida.

PELA VIDA. S E M P R E !

«Barrigas de aluguer»: Federação Portuguesa pela Vida contra «retrocesso civilizacional»
(Lusa)
Isilda Pegado lamenta que «mais uma matéria estruturante» tenha sido hoje aprovada «nas costas do povo»
Veja aqui

Portugal: Papa associa-se a «Caminhada pela Vida» marcada para hoje
Logo: Federação Portuguesa pela Vida
O Papa associou-se à ‘Caminhada pela Vida’ que vai ter lugar hoje, 14 de maio, em Portugal, com uma mensagem onde encoraja organizadores e participantes a “um renovado empenho na promoção dos verdadeiros valores humanos, morais e espirituais”.
Veja aqui

Petição pública "Toda a Vida Tem Dignidade" é hoje lançada
DR
Na Caminhada Pela Vida, que se realiza este sábado em Lisboa, vai ser lançada a petição pública "Toda a Vida Tem Dignidade".
Veja aqui

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Pentecostes, Festa do Espírito Santo




Pentecostes, Festa do Espírito Santo. Dom de Deus a todos os crentes, o Espírito dá vida, renova, transforma, constrói comunidade e faz nascer o Homem Novo.
 É o Espírito que permite aos crentes superar o medo e as limitações e dar testemunho no mundo desse amor que Jesus viveu até às últimas consequências.
  É Ele que cria a nova comunidade do Povo de Deus, que faz com que os homens sejam capazes de ultrapassar as suas diferenças e comunicar, que une numa mesma comunidade de amor, povos de todas as raças e culturas.
  É Ele que concede os dons que enriquecem a comunidade e que fomenta a unidade de todos os membros; por isso, esses dons não podem ser usados para benefício pessoal, mas devem ser postos ao serviço de todos.

Fátima: Bispos consagram Dioceses de Portugal e rezam por «sociedade justa e solidária»

Iniciativa marcou fim da visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima, a caminho do centenário das aparições


Os bispos católicos de Portugal consagraram hoje em Fátima as dioceses do país ao “ao Imaculado Coração de Maria” e rezaram por uma “sociedade justa e solidária”.
A iniciativa, que decorreu no final da peregrinação internacional do 13 de maio, na Cova da Iria, assinalou o encerramento da visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima às comunidades católicas do país, com mais de 22 mil quilómetros percorridos de norte a sul de Portugal, para além das ilhas.
“Animados pela vossa promessa, queremos hoje renovar, diante da vossa imagem, a consagração das nossas dioceses ao vosso Coração Imaculado, tal como o fizeram, pela primeira vez há 85 anos, neste mesmo dia, os bispos portugueses”, disse o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, D. Manuel Clemente.
A oração do cardeal-patriarca de Lisboa foi acompanhada por todos os bispos residenciais das dioceses portuguesas, em volta da imagem venerada na Capelinha das Aparições.
“Intercedei junto do vosso Filho para que derrame a luz e a sabedoria do Espírito Santo sobre os que governam o nosso país, para que promovam a dignidade humana, edifiquem uma sociedade justa e solidária, construam a paz e protejam a vida”, pediram os responsáveis católicos.
A consagração das Dioceses de Portugal aconteceu antes da procissão do Adeus, evocando a “presença protetora” da Virgem Maria, em particular para as famílias, nas suas dificuldades.
Os bispos rezaram ainda pelos “mais frágeis” da sociedade e recordaram em particular “os pobres e excluídos”, bem como “as vítimas de todas as formas de violência”.
A oração deixou uma palavra para crianças, adolescentes e jovens, idosos, doentes e “todos os que estão dependentes”.
Os membros da Conferência Episcopal Portuguesa lançaram um apelo “à oração, à conversão e à confiança” e pediram que as comunidades católicas saibam “dar testemunho da fé e da esperança que as anima”, comprometendo-se com “a transformação do mundo que habitam e que são chamadas a cuidar”.
A Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima iniciou a visita às dioceses de Portugal no dia 13 de maio de 2015, num percurso que começou em Viseu, seguindo depois por Braga, Viana do Castelo, Vila Real, Bragança-Miranda, Lamego, Coimbra, Guarda, Portalegre-Castelo Branco, Setúbal, Évora, Beja, Algarve, Santarém, Lisboa, Madeira, Aveiro, Açores, Porto e Leiri-Fátima, como forma de preparação para o Centenário das Aparições (1917-2017).
In agência ecclesia

quinta-feira, 12 de maio de 2016

12 de maio de 2016 - Procissão de Velas


Capela de Nossa Senhora das Necessidades. Vinte horas e quarenta e cinco minutos. Inicia-se a Eucaristia. Estava lá uma parte do coral.  Houve  participação. O andor da Senhora de Fátima estava muito bem ornado. O tema da homilia foi  "Misericordiosos como a Mãe de Misericórdia".
Inicia-se a procissão. Um mar de velas segue atrás da imagem. Cada pessoa traz também na mão um flor que lhe foi entregue pelos organizadores da festa. Reza-se o terço e o terço da Divina Misericórdia, canta-se, consagra-se a Nossa Senhora cada povo da paróquia e a paróquia inteira. 
Na Igreja Paroquial, completamente cheia, inicia-se a Bênção das criancinhas (até aos 3 anos). Casais jovens com os filhitos pela mão e ao colo. Uma mãe lê um textozinho do Evangelho e uma mãe e um pai, em nome dos pais presentes, fazem a oração dos fiéis. O sacerdote precede à benção das crianças.
Segue-se um momento sempre especial. Cada pessoa vai colocar a rosa junto do andor e ali, ao pé da imagem da Mãe, deixa-Lhe um segredo. Quantos desabafos, quantos pedidos, quantos agradecimentos, quantas confidências Maria Santíssima acolheu hoje no seu coração de Mãe!!!Entretanto, uma música de fundo vai ajudando a criar o ambiente propício.
Parabéns aos povos de Ponte das Tábuas, Quintela e Vila Pouca que, este ano, organizaram esta  festinha à Senhora de Fátima. Fizeram-no com esmero, dedicação e generosidade. Parabéns a quem ofereceu a ornamentação do andor e as flores para as pessoas.
As muitas pessoas que marcaram presença certamente deram por bem utilizada esta parte da noite.
Maria é sempre fonte de misericórdia, paz, aconchego, esperança.

Em 2017, cabe ao povo do Castanheiro do Ouro organizar a Procissão de Velas.