quinta-feira, 6 de julho de 2017

Continuamos a acompanhar a vida de Santa Helena

 A CRUZ DO REDENTOR
-  SANTA HELENA ENCONTROU-A
-  A CRUZ MARCA O DESTINO DE CONSTANTINO
A sólida tradição, que remonta ao séc. IV, atribui a Santa Helena a invenção ou descoberta da Santa Cruz em que Jesus Cristo agonizara e morrera.
Também encontrou os cravos da crucifixão. De um deles fez um freio para o cavalo de Constantino Imperador, o seu filho; e de outro fez um diadema - que se havia de tornar na famosa Coroa de Ferro da Lombardia.
É notável o testemunho de Santo Ambrósio sobre a intervenção de Santa Helena no encontro da Cruz de Nosso Senhor:
Começou ela por visitar os Lugares Santos. O Espírito moveu-a a procurar o madeiro da Cruz. Aproximou-se do Gólgota e disse “Aqui está o lugar do combate. Onde está a vitória? Eu procuro o estandarte da salvação. Mas não o vejo”. Escava no chão, e afasta para longe o entulho.
Eis, porém, que ela encontra desordenados três patíbulos já arruinados, que o inimigo escondera. Mas pode acaso o triunfo de Cristo ficar no esquecimento?
Perturbada, Helena hesita, hesita como mulher. Inspirada divinamente, lembra-se de que foram crucificados dois ladrões com o Senhor. Fia-se, portanto, na cruz do meio. Talvez, ao caírem, se tenham confundido e trocado - pensa.
Voltando à leitura do Evangelho, repara ter sido aplicada à cruz do meio a inscrição: “ Jesus Nazareno, Rei dos Judeus”. Assim chegou à consecução da verdade e, devido ao título, foi reconhecida a Cruz da Salvação.
Helena encontrou, portanto, o título e adorou o seu Rei.
 
Se é verdade que a Cruz marca a vida de Santa Helena quer pelo sofrimento pessoal quer pelo encontro do estandarte da redenção, também ela reorientou a vida de seu filho Constantino e, consequentemente, a marcha do Império Romano naquela fase temporal.
Que Mãe e Filho se influenciaram mutuamente no caminho da conversão é um facto tão indiscutível como inenarrável. Fique, pois, aqui o destaque para o seu carácter benfazejo!
Julgamos oportuno referiras palavras dos hagiógrafos, pela mão de Eusébio de Nicomédia e de Lactâncio, segundo os quais, Constantino teve a visão do lábaro da Cruz. E, ainda, que na véspera da batalha de Ponte Mflvio contra Maxêncio, o Senhor lhe prometera a vitória, se mandasse gravar na bandeira e nos escudos o monograma de Cristo - XP.
Apesar de alguns quererem negar o carácter sobrenatural desta batalha, o certo é que, após ela, se Constantino não se converteu logo ou se não recebeu o baptismo de imediato, pelo menos começou a pautar-se pelos princípios Cristãos e deu a paz à Igreja. A legislação modificou-se no sentido Cristão e Constantino estabeleceu um regime de justiça e equidade, que triunfa sobre o Iegalismo.

Sem comentários:

Enviar um comentário