terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Nas periferias existenciais: ao encontro dos doentes



O Pároco e elementos do  GASPTA estão a passar durante estes dias pelas casas das pessoas, escutando, levando uma palvra de conforto e um sorriso amigo. Vai sendo deixado  a cada um deles um simples miminho que traduz o carinho da comunidade paroquial pelos seus doentes. Quase todos querem celebrar o Sacramento da Reconciliação.
Um desabafo volta a ser constante. As pessoas sentem-se muito sozinhas. E isso magoa-as mais do que a própria doença ou limitação física.
Em muitos casos vemos pessoas que tudo fazem pelos seus familiares doentes, partilhando o altar da dor até à exaustão. Parabéns a estes gigantes de humanismo. Oxalá todos tivessem destes cireneus que ajudam a levar a cruz! Nem todos os têm, infelizmente.

Sem comentários:

Enviar um comentário