quarta-feira, 2 de março de 2011

«Jesus de Nazaré»: Cristo de Bento XVI é um Deus que sofre e um homem em luta contra o poder

Veja aqui excertos do novo livro do Papa, uma «Paixão» com narrativa de Joseph Ratzinger.

A Santa Sé revelou hoje o elenco dos nove capítulos do mais recente livro de Bento XVI, «Jesus de Nazaré. Da Entrada em Jerusalém até à Ressurreição».

A obra percorre o ciclo que a Igreja Católica celebra na Semana Santa, acompanhando os momentos da morte e ressurreição de Cristo.

Em comunicado divulgado pelo serviço de informação do Vaticano, assinala-se que o livro será editado em sete línguas: alemão, italiano, inglês, espanhol, francês, português e polaco.

Esta tarde foram adiantados três excertos da obra, que estão a ser publicados por vários meios de comunicação, incluindo a Agência ECCLESIA. pesquisa.pl?dossier=127

O livro é uma extensa reflexão bíblica e teológica de Bento XVI sobre os textos dos Evangelhos, acompanhada por várias citações de estudiosos e especialistas nestes temas.

O primeiro capítulo refere-se à entrada de Jesus em Jerusalém, com o episódio da purificação do templo, enquanto que o segundo aborda, em três partes, os discursos “escatológicos” (relacionados com as realidades posteriores à vida terrestre) de Jesus (destruição do templo, o tempo dos pagãos, profecia e apocalipse).

O terceiro capítulo evoca o lava-pés, estando dividido em seis partes: A hora de Jesus; «Vós estais puros»; Sacramento e exemplo – dom e dever (o mandamento novo); o mistério do traidor; diálogos com Pedro, Lava-pés e confissão dos pecados.

O quarto capítulo, sobre a oração sacerdotal de Jesus, fala da “festa judaica da Expiação” e elenca “quatro temas importantes da oração”: «Esta é a vida eterna...»; «Consagra-os na Verdade.»; «Dei-lhes a conhecer quem Tu és…»; «Que todos sejam um só…».

A quinta parte da obra é dedicada à Última Ceia, analisada em quatro temas: a data da Última Ceia, a instituição da Eucaristia, a teologia das palavras de instituição e “da Ceia à Eucaristia da manhã de domingo”.

"Getsemaní", título do sexto capítulo, aborda outras quatro questões: a caminho do monte das Oliveiraa; a oração do Senhor; a vontade de Jesus e a vontade do Pai; a oração de Jesus no monte das Oliveiras segundo a Carta aos Hebreus.

No sétimo capítulo, Bento XVI analisa «o processo de Jesus: discussão preliminar no Sinédrio, Jesus diante do Sinédrio e Jesus diante de Pilatos.

A oitava parte da obra, sobre a crucifixão e a deposição de Jesus no sepulcro, apresenta uma reflexão preliminar intitulada “palavra e acontecimento na narrativa da Paixão”, para seguir com a descrição dos momentos de Jesus na Cruz e uma análise da morte de Jesus como “reconciliação (expiação) e salvação”.

O nono e último capítulo fala da ressurreição de Jesus da morte, em três partes diferentes: A ressurreição de Jesus: de que se trata?; Os dois tipos diversos de testemunho da ressurreição; a natureza da ressurreição e o seu significado histórico.

O livro encerra-se com um epílogo intitulado “Subiu aos Céus, onde está sentado à direita do Pai, e de novo há-de vir em sua glória”.

A apresentação deste segundo volume está marcada para o próximo dia 10 de Março, pelas 16h00 (hora de Lisboa), com a presença do cardeal canadiano Marc Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos, e do escritor e germanista Claudio Magris.

O primeiro volume de «Jesus de Nazaré» tinha sido publicado em 2007 e era dedicado à vida de Cristo desde o Baptismo à Transfiguração.

Um terceiro volume está a ser escrito por Bento XVI, que vai abordar os chamados «Evangelhos da infância», sobre os primeiros anos da vida de Jesus.

Toda a obra começou a ser escrita nas férias de 2003, antes da eleição de Joseph Ratzinger como Papa.
In ecclesia

Sem comentários:

Enviar um comentário