quinta-feira, 21 de junho de 2018

POR FAVOR, PARA SEU BEM E PARA ALEGRIA DE JESUS, VÁ Á SANTA MISSA, SOBRETUDO AO DOMINGO

Foto de Centro Paroquial Santa Helena.
POR FAVOR, PARA SEU BEM E PARA ALEGRIA DE JESUS,   VÁ Á SANTA MISSA, SOBRETUDO AO DOMINGO.
SE COSTUMA PARTICIPAR , NÃO DESISTA.
SE SE AFASTOU, POR DESLEIXO, POR DESINTERESSE, POR PREGUIÇA, POR ARREFECIMENTO DA SUA FÉ, VOLTE DEPRESSA....

DEUS ESPERA-O.
A COMUNIDADE CRISTÃ A QUE PERTENCE PRECISA DA SUA PRESENÇA.
VOCÊ PRECISA DE IR À SANTA MISSA: a). Para adorar, louvar, servir e glorificar a Deus;b), Para Lhe agradecer os favores e os benefícios que Ele lhe concedeu, lhe continua a conceder e que você Lhe deve; c). Para Lhe pedir perdão e fazer reparação das suas faltas e dos seus pecados; d). Para lhe pedir e alcançar d' Ele os favores e auxílios de que precisa. 


VOCÊ NÃO SENTE NECESSIDADE DE FAZER TUDO ISTO? E LEMBRE-SE DE QUE, NA SANTA MISSA, É JESUS QUE FAZ ISTO TUDO CONNOSCO E POR NÓS. COMO PROMETEU, SEMPRE QUE NÓS NOS REUNIMOS NA SUA CASA E À SUA MESA, ELE ESTÁ NO MEIO DE NÓS!
QUE TRISTEZA TEM JESUS QUANDO NÃO O VÊ LÁ, A SI!

AMIGO, SEM DEUS, A VIDA NÃO TEM SENTIDO.
Joaquim Correia Duarte, in Facebook

Os 4 fins da Santa Missa


Adoração
Este é o fim latrêutico da Santa Missa. Do grego “latría”, quer dizer precisamente adoração, louvor a Deus em reconhecimento da Sua Divindade, louvor a Deus por ser Deus, mas não apenas de modo “genérico”, do jeito que se pode louvar a Deus em qualquer local e momento, mas sim com a consciência de que, na Santa Missa, Deus está presente real e fisicamente na Eucaristia, que é o Seu Corpo e Sangue entregues por amor a nós a fim de nos salvar do pecado e da morte.
 
Ação de graças
É o próprio significado da palavra “Eucaristia”, que vem do grego e quer dizer “agradecimento”. Este é o fim eucarístico da Santa Missa: agradecer, dar graças! A Santa Missa é Eucaristia, é agradecimento, é ação de graças a Deus por tudo o que recebemos dele – principalmente por recebermos a Ele próprio! Deus mesmo nos deu o dom de lhe agradecer dignamente ao tornar possível que, na Missa, lhe ofereçamos ninguém menos que o próprio Jesus Cristo em ação de graças!
 
Reparação
Também chamada propiciação ou expiação, é o fim propiciatório da Santa Missa: trata-se do ato de reparar o sofrimento que causamos a Deus quando, com nossos pecados, nos afastamos voluntariamente do Seu Amor. Só Jesus Cristo pode expiar condignamente, pelo Seu Sacrifício, as ofensas feitas a Deus. A Missa é sacrifício expiatório porque torna presente, na Eucaristia, o próprio Cristo em estado de vítima, com o Seu Corpo entregue por nós e o Seu Sangue derramado para nos lavar dos nossos pecados. “Este é o meu Sangue, que será derramado por muitos para a remissão dos pecados” (cf. Mt 26, 28).
  
Petição
Também chamada impetração, é o ato de rogar a Deus e lhe apresentar as nossas súplicas e preces. Este é o fim impetratório da Santa Missa. Jesus Cristo vive e intercede por nós, apresentando ao Pai a sua Paixão. Se já temos a promessa firme de alcançar tudo o que pedimos a Deus em nome de Jesus (cfr. Jo 16, 23), muito maior deve ser a nossa confiança se oferecemos a Deus o Seu próprio Filho que nos ama! Além de ser a prece de Cristo mesmo, a Santa Missa também é prece da Igreja, que une as suas súplicas às dele.
Fonte: aqui

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Decorre na semana de 17 a 24 de Junho, uma ação conjunta, a nível internacional, da Campanha Partilhar a Viagem


Convidamos  todas as pessoas de boa vontade a pensar  sobre a importância da PARTILHA, DA MISERICÓRDIA E DA SOLIDARIEDADE, como nos apela o Papa Francisco e menciona  na sua Mensagem para a Celebração do 51º Dia Mundial da Paz 2018:

“Todos os elementos à disposição da comunidade internacional indicam que as migrações globais continuarão a marcar o nosso futuro.

Alguns consideram-nas uma ameaça. Eu, pelo contrário, convido-vos a vê-las com um olhar repleto de confiança, como oportunidade para construir um futuro de paz.”
 


VEM E PARTILHA O TEU PÃO

Um convite a trabalhar pela “cultura do encontro” de modo simples, “como fez Jesus”:

não só vendo, mas olhando, não apenas ouvindo mas escutando, não só cruzando-se com as pessoas mas detendo-se com elas, não só dizendo “que pena, pobrezinhos!” Papa Francisco

Festa de Santo António 2018


Está a correr bem a Festa em honra de Santo António, em Arguedeira, como é próprio de gente de bem.
Além dos foguetes, banda, conjuntos e outros passatempos, as pessoas mostram-se acolhedoras, alegres e pacíficas.
No aspeto religioso, além da Eucaristia que assinalou o dia litúrgico de Santo António – 13 de junho – houve Missa solene e procissão no domingo, dia 17 do mesmo mês.
A Comissão de Mordomas - este ano só senhoras - esteve à altura. Pelo trabalho desenvolvido e pela vontade de fazer bem. Contactou atempadamente o Pároco e foram combinados os pormenores da festa no atinente às questões religiosas.
Num tempo de dificuldades, não é fácil organizar uma festa, por isso as mordomas são credoras do reconhecimento das pessoas, mormente, como foi o caso, se preocupam em acolher as orientações da Igreja no que se refere às festas religiosas.

Comissão de Festas para 2019José Damião Lopes Guedes de Melo, Carlos Adalberto Almeida Mendes, Marco Alexandre Pereira de Melo, José Humberto Vitorino, Miguel Moura, Rui Pedro Mendes Marques, Marco António Melo Teixeira, Anabela Silva Nogueira, Juliana Borges, Adriana Melo, Laura Lopes, Samuel Gomes, João Carlos Lopes.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

A morte pode (e deve) ser preparada, mas não provocada.

Foto de Santuário de Nossa Senhora dos Remédios-Lamego.
Assistir na morte não pode ser provocar a morte, mas acompanhar até à morte.
A Casa da Mãe é, sem dúvida, o lugar indicado para falar da vida dos Seus filhos.
Foi o que aconteceu na noite de 13 de Junho. Após mais uma procissão pela Mata, o Santuário de Nossa Senhora dos Remédios pôde escutar uma magnífica intervenção do Padre Doutor Anselmo Borges, da Sociedade Missionária da Boa Nova e oriundo de São Pedro de Paus (Resende).
Partindo da pergunta «Será legítimo programar a morte?», defendeu que a morte pode (e deve) ser preparada, mas não provocada.
Numa sociedade pós-cristã, a morte desponta como o maior tabu, mas ao mesmo tempo como uma grande constante. Ou seja, não se fala da morte, mas pratica-se a morte, provoca-se a morte.
A principal notícia de que cada um de nós é portador é que Deus é amor. Daí que tenha sido pelo Cristianismo que os direitos humanos vieram ao mundo.
Assim sendo, a eutanásia (por muito acolhimento que encontre no senso comum) constitui um retrocesso civilizacional,
O Padre Anselmo Borges, evocando a tragédia de Antígona, estabeleceu uma distinção entre o plano legal e o plano moral.A eutanásia, ainda que venha a ser legal, nunca será moral.
Alertou ainda para o risco da eufemização da linguagem. Em vez de eutanásia, há quem fale de «morte assistida».
Quem não quer uma morte assistida? Precisamos de assistência na vida e na morte. Precisamos de ser medicamente assistidos, familiarmente assistidos, afectivamente assistidos, espiritualmente assistidos.
Assistir na morte não pode ser provocar a morte, mas acompanhar até à morte.
O Padre Anselmo Borges foi mesmo ao ponto de advertir que a introdução da eutanásia iria simplificar as contas do Estado, passando este a ter mais um dever: o inqualificável «dever de matar».
Portugal, que foi pioneiro na abolição da pena de morte, tem deveres acrescidos na oposição que deve ser feita à cultura da morte.
D. António Couto, Bispo de Lamego, que presidiu a mais esta procissão, encerrou o encontro agradecendo o clarividente testemunho do Padre Anselmo Borges.
Uma vez mais, o Grupo de Peregrinos de Nossa Senhora dos Remédios assegurou o transporte do andor e o Grupo Coral embelezou este acto de fé com a execução dos cânticos!
Fonte: aqui

sábado, 9 de junho de 2018

Tarouca na Peregrinação das crianças ao Santuário de Fátima

Resultado de imagem para peregrinação anual das crianças a fátima
Na tarde deste sábado, mais de trinta crianças do 6º ano de catequese partiram para Fátima. Foram acompanhadas de várias catequistas e vão participar na Peregrinação das Crianças a Fátima.
Milhares de crianças, das diferentes dioceses do país, marcam presença, enchendo o Santuário de cor, movimento e inocência.
Esperamos que seja um momento de belo convívio, de encontro com Cristo pela Mãe, de socialização e aprendizagem.
Boa peregrinação, miúdos!

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Papa Francisco: "a Igreja somos todos nós".

“Algumas pessoas pensam que a Igreja tem patrões: o Papa, os bispos, os sacerdotes e os operários, que são os demais. Não! A Igreja somos todos nós e todos temos a responsabilidade de nos santificarmos uns aos outros, cuidar dos outros. A Igreja somos nós. Cada um tem o seu trabalho, mas a Igreja somos todos nós”.

“Pensem bem: a bisbilhotice não é uma obra do Espírito Santo, não é uma obra da Igreja, destrói o que Deus faz. Por favor, evitemos bisbilhotar! De acordo? Sim ou não? Isso”, referiu, num diálogo com a multidão, que saudou a intervenção improvisada com uma salva de palmas.
(Papa Francisco na audiência pública semanal que decorreu hoje na Praça de São Pedro)

terça-feira, 5 de junho de 2018

Porque Ele está connosco







 
Porque Ele está connosco,
Enquanto o tempo é tempo,
Ninguém espere, para O encontrar,
O fim dos dias...
Abrindo os olhos,
busquemos o seu rosto e a sua imagem.
busquemo-l’O na vida, sempre oculto
No íntimo do mundo, como um fogo.
 
Porque Ele está connosco
Nesta hora de violência,
Pensemos que Ele vive, fala e sente
Em quem padece.
Alerta, ó almas!
Volvamos para Ele os nossos passos.
Sigamos os seus gestos com que acena
Aos homens, sobre a cruz das grandes dores.
 
Porque Ele está connosco
Nos dias de fraqueza,
Ninguém espere conservar o alento
Sem O chamar...
De mãos ao alto,
Gritemos para Ele a nossa angústia.
Prostremo-nos, orando, aos pés d’Aquele
Que apaga em nós as manchas do pecado.
 
Porque Ele está connosco,
Tal como na manhã
De Páscoa, não faltemos ao banquete
Do sangue derramado,
Comamos do seu pão,
bebamos do seu cálice divino,
Sinal do seu amor até ao fim!
(Hino de Vésperas)

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Festas Populares na Paróquia


Festa
Santo
Povoação
Mês
Dia
Hora
Santo António
Arguedeira
Junho
13
17
19h
12h
Santo António
São João
Gondomar
 
 
Junho
 
 
13
 
24
20h
 
12h
São Pedro
(O Padroeiro)
Tarouca
Junho
23
29
19h
18h
Resultado de imagem para Senhora das necessidades - tarouca
Senhora das Necessidades
Quintela, Vila Pouca e P. das Tábuas
Julho
01
12h
https://4.bp.blogspot.com/-HB67FRlWFCw/WxQoIyWrxrI/AAAAAAAANDM/wJgGaYXh2Oggho6Nns9Z9DVmm6Kh4WN1ACLcBGAs/s400/DSC08035.JPG
Novena de Santa Helena
E Senhora das Dores
Todos
Junho/
Julho
30 de junho
a
8 de julho
Manhã às 8h
Tarde às 18.30h
https://3.bp.blogspot.com/-qIxrkC34slY/WxQpDGwmuFI/AAAAAAAANDU/R3dxoDbW4ycL2b50Hs5AgBfiWq8WsOBlQCLcBGAs/s400/DSC08036.JPG
Festa da Senhora das Dores
Todos
Julho
01
18.30h
Festa de Santa Helena
Todos
Julho
08
11.30h
Imagem relacionada
Cristo Rei
Todos
Julho
22
12h
Observação: Em 17 de junho, pelas 17h, haverá a Missa do 3º domingo em Santa Helena