segunda-feira, 2 de maio de 2011

Valeu a pena acreditar!...

--
Há quem apregoe que não há milagres. Mas os exemplos de miraculados são muitos e não digam isso aos que alguma vez se sentiram beneficiados por alguma cura.
Está neste caso a religiosa Marie Simon-Pierre Normand, do Instituto das Pequenas Irmãs das Maternidades Católicas. Ela foi diagnosticada com Mal de Parkinson em 2001. Segundo o testemunho da freira, a cura do Mal, pela intercessão de João Paulo II, aconteceu entre 2 e 3 de junho de 2005, quando ela tinha 44 anos.
Com a notícia do falecimento do Papa Woityla – também ele afectado por igual doença –, a Irma Marie e suas companheiras de Congregação começaram a invocar o falecido Pontífice para que intercedesse por sua cura.

"Após o diagnóstico da minha doença, era difícil para mim ver João Paulo II na televisão. Sentia-me, no entanto, muito próxima dele na oração e sabia que podia compreender aquilo que ele vivia. Admirava também a sua força e coragem, que me estimulavam a não me entregar e a amar este sofrimento. Somente o amor teria dado sentido a tudo isso. Era uma luta quotidiana, mas o meu único desejo era de vivê-la na fé e aderir com amor à vontade do Pai", testemunha a Irmã Marie.
Com o anúncio do falecimento do Papa João Paulo, a freira diz que sentiu como se o mundo tivesse vindo abaixo.
"Acabava de perder o amigo que me compreendia e me dava forças para seguir adiante. Naqueles dias, senti um grande vazio, mas tive também a certeza da Sua presença viva", relata.
Em 14 de Maio – um dia após a dispensa pontifícia dos cinco anos de espera para o início da Causa –, as irmãs de todas as comunidades francesas e africanas começam a pedir incessantemente a intercessão de João Paulo II para a cura de Irmã Marie.
Em 2 de junho de 2005, cansada e oprimida pela dor, a religiosa manifesta à Superiora a intenção de ser libertada do trabalho profissional, num hospital, como enfermeira. No entanto, a Superiora convida-a a confiar na intercessão de João Paulo II. A Irmã Marie passa uma noite tranquila e, ao despertar, sente-se curada.
As dores desaparecem e não sente nenhuma rigidez nas articulações. Era o dia 3 de junho de 2005, festa do Sagrado Coração de Jesus. Ao procurar o seu médico, ele constata a cura. O que dura até agora.
"O que o Senhor me permitiu viver por intercessão de João Paulo II é um grande mistério, difícil de explicar em palavras ... mas a Deus nada é impossível ", exclama.

In O Amigo do Povo

Sem comentários:

Enviar um comentário