quinta-feira, 5 de maio de 2011

Bispos pedem escolhas «ponderadas»

--

Legislativas de 5 de junho em destaque no final da assembleia plenária da Conferência Episcopal Portuguesa

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) apelou hoje a escolhas “bem refletidas e ponderadas” para as eleições legislativas marcadas para o próximo dia 5 de junho.
No comunicado divulgado após o final dos trabalhos da assembleia plenária que decorreu desde segunda-feira, em Fátima, os bispos entenderam ser “importante recordar a relevância deste ato cívico”.
“A democracia não se esgota nos atos eleitorais, mas estes constituem um momento de particular significado, pois correspondem à escolha daqueles que, nos próximos tempos, irão conduzir os destinos do nosso país”, pode ler-se.
A CEP deixa votos de que sejam tidos em conta “as ideologias perfilhadas pelos vários candidatos e partidos, e a prática da verdade e do respeito mútuo, especialmente durante a campanha eleitoral”.
“Importa conhecer os seus programas e verificar a atenção que prestam aos mais carenciados, económica e socialmente. As opções éticas daqueles que pedem o nosso voto devem contar na hora da votação”, assinalam.
Os bispos exortam os eleitores a que “não se abstenham, mas participem, responsável e livremente” e apelam “às diversas forças sociais e políticas para que se esforcem por encontrar um amplo consenso que promova a governabilidade” do país.
Às forças políticas compete “responder ao desafio premente da solução da atual crise, procurando sempre defender e servir os mais frágeis, e construir o bem comum”.
Na assembleia, foi apresentado o projeto de «Observatório Social da Igreja», que pretende “um diagnóstico sempre atualizado da situação social nos diferentes aspetos, perspetive as necessidades sociais da população e soluções de futuro, avalie em termos eclesiais e pastorais os efeitos da ação social da Igreja e contribua para definir metas e métodos de intervenção, integrada e integral, de atores e organizações”.
Durante os trabalhos, acrescenta o comunicado, D. Carlos Azevedo, presidente da Comissão da Pastoral Social “deu conta das preocupações decorrentes da crise social, das perspetivas de trabalho em rede suscitadas pela situação, das iniciativas levadas a cabo pela Cáritas e das intervenções da Comissão Nacional Justiça e Paz”.
Nesse contexto, foi ainda revelado que o Fundo Social Solidário criado pela CEP em 2010 reuniu donativos no valor de 530 mil euros e distribuiu já 161 611,44 euros.
A assembleia que hoje terminou ficou marcada pela eleição do cardeal-patriarca de Lisboa, D. José Policarpo, como presidente da CEP, que terá como vice-presidente o bispo do Porto, D. Manuel Clemente.
In ecclesia

Sem comentários:

Enviar um comentário