terça-feira, 25 de janeiro de 2011

“Repensar juntos a pastoral da Igreja em Portugal” - I

-- --
Apenas um pequenino e limitado contributo para espicaçar a reflexão de todos.

Inquietações e preocupações sentidas na sociedade:

– Perda de valores
- O sebastianismo, as pessoas esperam sempre alguém que resolva os problemas que a todos compete resolver
- O descrédito da classe política, gerando desconfianças e comprometendo a participação democrática
- A corrupção, grande ou pequena, que destrói confianças e mina as relações entre as pessoas
- O fatalismo e o complexo de inferioridade face ao estrangeiro
- O pessimismo e derrotismo nacional
- Falta de profundidade e de pensamento - vivemos na cultura das telenovelas, das internet e da TV
- Preocupação com o futuro face a desestruturação da família e à perda de valores pessoais, familiares e sociais

Sinais de Deus na sociedade

- Preocupação pelas questões ambientais
- Ondas de solidariedade, independentemente de raças ou credos
- Afirmação da individualidade… A pessoa não se dilui na massa
- Abertura democrática à participação das pessoas
- Espírito de comunhão e de proximidade propiciadas pelos modernos meios de comunicação social
- Papel controlador da sociedade sobre o poder, devido à consciência crítica, à vivência da cidadania e à comunicação social

Desafios que a sociedade coloca à Igreja

- Vivemos numa sociedade em que o projecto das pessoas se centra nas coisas e não a nível de realização e de razões profundas de viver
- Estamos numa sociedade pluralista, aberta, relativista… Como falar de Deus a gente assim?
- Uma sociedade que admira a coerência e o testemunho (casos de João Paulo II e Madre Teresa de Calcutá), mas que é absolutamente arrasadora face à incoerência de vida dos cristãos (caso da pedofilia)
- A sociedade mostra-se ávida do testemunho e da coerência por parte da Igreja

Necessidades espirituais e humanas das pessoas do nosso tempo

- O mundo precisa de referências. Veja-se a insistência dos candidatos à Presidência da República em se afirmarem como garantes da estabilidade e referências coerentes de princípios
- Nota-se uma fome de espiritualidade. Quando as pessoas não a encontram na Igreja, voltam-se para as seitas e os movimentos esotéricos.
- Precisam da presença da Igreja, de atenção, de gestos que lhes falem

Contributo dos cristão para a sociedade

- A linguagem é uma barreira. Funciona como um muro que obstaculiza a Mensagem do Evangelho. Vejam-se as muitas mensagens do Papa, dos Bispos e dos Padres. Linguagem árida, fechada, indecifrável para a maioria dos cristãos que assim não lhes ligam.
- A Igreja precisa de oferecer, em linguagem inteligível, um sentido para a vida

(Continua)

Sem comentários:

Enviar um comentário