terça-feira, 6 de dezembro de 2016

As duas faces da mesma moeda


Uma moeda tem duas faces. Distinta, mas faces da mesma moeda.
Aplique-se isto à fé. A mesma fé em duas faces.
1ª face. A oração, o culto, a adoração. "Amarás o Senhor teu Deus com todo no teu coração, toda a tua alma, todo o teu entendimento." (Bíblia). O 1º mandamento é este: amarás o Senhor teu Deus sobre todas as coisas.
2ª face. O amor ao próximo. "O que vos mando é que vos ameis uns aos outros." (Jesus Cristo)


Um amor a Deus que não se realize no amor ao próximo, "é mentiroso", no dizer bíblico.
Um amor ao próximo que não enraíze no amor a Deus, é mera filantropia, porque só Deus é fonte, origem e fundamento do amor autêntico.


Muitos acham que para ser cristão basta praticar uns tantos atos de cultos, fazer umas tantas orações pessoais, cumprir umas promessas, conhecer uns tantos textos bíblicos, integrar uns tantos grupos cristãos.
Muitos acham que basta para ser cristão praticar uns tantos atos de solidariedade, ter compaixão dos pobres, lutar pela justiça social, ajudar o próximo.


Nem uns nem outros estão certos.
A fé abre-nos a Deus e exprime-se no amor ao próximo.
Sem umas destas duas faces, temos uma moeda falsa.


“A nossa religião não é para consumo próprio, é um dom que se recebe para partilhar, porque só assim é que se muda o mundo.”
(D. José Ornelas)


“Mais acolhimento, mais missão, mais trabalho em conjunto” (cardeal Patriarca de Lisboa)
“O que é preciso é mudar a prioridade dos projectos”, disse o bispo de Lisboa, em conferência de imprensa, dando um exemplo de mudança: em vez de as comunidades católicas se mobilizarem para arranjar o telhado da Igreja devem olhar à volta e ver o que é mais necessários, seja os idosos que estão isolados, seja um bairro em que faltam condições ou uma escola onda há problemas.






Sem comentários:

Enviar um comentário