domingo, 28 de outubro de 2012

TERMINOU HOJE O SÍNODO DOS BISPOS SOBRE A NOVA EVANGELIZAQÇÃO E A TRANSMISSÃO DA FÉ

O Sínodo dos Bispos terminou neste  Domingo com uma missa solene, na Praça de São Pedro, presidida por Bento XVI. O Sínodo dos Bispos decorreu em Roma desde 7 de Outubro, e  reuniu 262 bispos e cardeais de todo o mundo com o Papa para analisarem os desafios da nova evangelização.

Bispos pedem aos cristãos
para não serem pessimistas
O Sínodo dos Bispos publicou uma mensagem a todos os crentes. Os Bispos incentivam os cristãos a não serem pessimistas e pede-lhes que dêem testemunho em todos os sectores da vida, desde o âmbito da família até ao mundo da política.
A Nova Evangelização é uma urgência que toca todas as regiões do mundo, porque a Fé corre o risco de se apagar em contextos culturais e sociais adversos. E como a Fé se manifesta na relação com a pessoa de Jesus, é preciso renovar esta proposta a quem anda geralmente distraído, confuso ou indiferente.
A mensagem final do Sínodo também alerta para os próprios bispos e evangelizadores que são os primeiros a precisar de conversão, uma vez que “as suas feridas e pecados tornam patentes as vulnerabilidades da Igreja”.
O Cardeal Giuseppe Bettori, presidente da Comissão responsável por esta mensagem garante que o resultado final foi obtido por um consenso ainda melhor que a maioria democrática.
“Os processos democráticos dividem, porque criam uma maioria e uma minoria. Não existe uma maioria e uma minoria dentro desta mensagem. O que existe é uma síntese de comunhão que não provocou clivagens e deu voz à sensibilidade dos bispos provenientes de todo o mundo.”
O texto aprovado pelo Sínodo dos Bispos reafirma o papel indispensável da família na transmissão da fé e na educação as novas gerações, incentiva os cristãos a rejeitarem o pessimismo e a darem um testemunho límpido em todos os sectores da vida, incluindo no mundo da política.

Nova evangelização é mais do que uma reacção aos problemas
O Sínodo não foi convocado por haver secularização no mundo, por haver laicismo e tantos problemas, não. O Sínodo trouxe um encorajamento à conversão, a uma auto-reflexão e coragem para se fazer uma análise da situação em que vivemos, uma análise corajosa, para não fugirmos à resposta”, afirmou o arcebispo polaco Jozif Miichalik, na conferência de imprensa que marcou o final do Sínodo.
O relator do Sínodo, o arcebispo de Washington, Cardeal Donald Wuerl, sublinhou a profunda unidade verificada ao longo das três semanas de trabalhos.
Um dos aspectos mais importantes do Sínodo é o sentido de unidade á volta do tema: olhar para a nova evangelização com um olhar positivo. Em especial, na questão de como é que nós levamos a fé da Igreja, a fé de Jesus Cristo, a este mundo tão moderno, tão secular e tão complexo”, acrescentou Wuerl.
Os trabalhos terminaram com a votação de 58 propostas entregues ao Papa, com vista à eleboração de uma Exortação Apostólica.

Bento XVI apela à renovação da Igreja
O Papa assinalou esta manhã a conclusão do Sínodo dos Bispos com a celebração da missa na Basílica de São Pedro, em Roma. Depois, durante a oração do Angelus, Bento XVI deixou o apelo à renovação da própria Igreja.
A partir de agora podemos dizer que, deste Sínodo, sai reforçado o empenho pelo renovamento espiritual da própria Igreja, para poder renovar espiritualmente o mundo secularizado; este renovamento virá da redescoberta de Jesus Cristo, da sua verdade e da sua graça, do seu rosto, tão humano e tão divino, sobre o qual resplandece o mistério transcendente de Deus”, disse perante os peregrinos na Praça de São Pedro.
Fonte: aqui

Sem comentários:

Enviar um comentário