domingo, 12 de fevereiro de 2017

ENCONTRO DE PAIS - Impressões

No Plano Pastoral constava este Encontro de Pais que teve lugar na tarde de 12 de janeiro no Centro Paroquial.
Do Conselho Pastoral Paroquial havia saído uma equipa responsável pela preparação do Encontro: Dr.as Judite, Lurdes e Almerinda. Trabalharam muito em equipa e preocuparam-se com os vários pormenores. O pároco foi acompanhando o trabalho e deu a sua opinião quanto a dinâmicas da reunião. O tema vinha do Conselho Pastoral e está estampado no cartaz acima.
Saliente-se a presença de elementos do Grupo de Jovens e do Coral que animaram a sessão no início e no fim.
Na 1ª parte, com auxílio do projector, foram lidas e comentadas algumas passagens bíblicas particularmente relacionadas com a família. Igualmente foram citados textos do Papa Francisco referentes à família, ao amor humano e à Igreja como comunidade em missão. Frise-se a presença de catequizandos nas leituras.
Na 2ª parte, os presentes trabalharam em grupos. Enquanto alguns destes debateram propostas para melhorar a catequese das crianças e jovens, outros debateram propostas para a realização da catequese de adultos.
Finalmente realizou-se o plenário onde o secretário de cada grupo levou ao micro as conclusões do seu grupo. Alguns secretários fizeram questão de chamar todo o grupo para a frente no momento de apresentar as conclusões...
Sem pretensões de exatidão nem de ordem sequencial, enumero algumas das propostas dos grupos:
- Participação dos pais nas sessões de  catequese dos filhos. Também aprendiam, ajudavam a manter a disciplina, mostravam assim a importância da catequese aos filhos, estavam dentro das dinâmicas catequéticas. A Presença dos pais nas sessões de catequese teve variações de grupo para grupo, desde semanal, mensal, trimestral...
- Participação dos pais na Eucaristia com os filhos. Participação mesmo! Nas leituras, nos cânticos, no peditório, etc. Além de desenvolverem a sua vocação batismal, o exemplo é tudo para os filhos.
- Envolver mais os catequizandos nas Eucaristias, também nas de domingo.
- Tornar as Eucaristias mais alegres, mais dinâmicas, mais participadas.
- A catequese não se esgota num espaço sala de catequese. Deve abrir-se a outras dinâmicas, ser assim mais motivadora, dispondo-se à participação dos pais. A este respeito, falou-se de passeios, fins-de-semana em Santa Helena por grupos que terminaram com alguma espécie de representação para os pais (música, teatro, etc), Visitas aos doentes e idosos, pobres e solitários, desenvolvendo o espírito de caridade cristã, de solidariedade, de abertura ao mundo.
- A questão das faltas dos catequizandos à catequese não se resolve com o rigorismo das normas, mas com motivação, acolhimento, desafios...
- Que a catequese vá enviando para os pais textos, frases e desafios a que os pais deveriam igualmente responder. Que os catequizandos sejam desafiados a alguma tarefa de casa onde reflitam a vida de hoje à luz da fé (redações, poemas, tec).
- Sessões de formação para os pais onde, além do debate e esclarecimento de temas atinentes à vida familiar, se abram a temáticas específicas de que se fala mas que eles não dominam, como por exemplo, aprender a manusear a Bíblia e como lê-la.
- A questão de sessões de catequese para os pais enquanto estes esperam que termine a catequese dos filhos foi igualmente levantada.
- Falou-se muito da centralidade da Bíblia e da Eucaristia na vida das famílias.
- Abordou-se a hora da catequese e da Missa aos sábados, mas notou-se claramente a ausência de consensos neste aspeto.
- Alguns grupos chamaram a atenção para os catequizandos que nunca faltam e depois se confrontam com colegas que faltam imenso e fazem igualmente as festas da catequese, sentindo-se injustiçados.  Aqui, como no resto, a principal tarefa cabe aos pais. Não têm grande interesse as festas da catequese se não houve catequese!|  Sem catequese é como um cego que vai a um museu... não vê nada. A catequese é a luz. Mais importante do que as festas é sempre a catequese.
- A catequese de sábado é como um jogo de futebol: tem duas partes. Nenhum equipa ganha um jogo se só jogar uma parte. As duas partes da catequese são a catequese com o catequista e a Eucaristia!!!
 - Os grupos, de uma forma e de outra, mostraram a sua gratidão para com os catequistas e o seu trabalho voluntário.
- Uma preocupação: a fuga da Igreja por parte dos jovens que fizeram o Crisma. Disse-se que também aqui a postura da família é fundamental.
- O grupo de catequistas presente e o coral fizeram um apelo à participação dos pais nas sessões de catequese e no grupo coral, manifestando toda a abertura e acolhimento nesse sentido.
Foi muito bom. Parabéns aos pais presentes pela participação e pelas propostas. Foram fantásticos! O à-vontade revelado pelos secretários dos grupos foi cativante.
Parabéns ao grupo responsável por esta ação. Estiveram à altura e mostraram a sua alegria no fim do encontro. E só têm razões para isso. A este grupo um obrigado cá do fundo!
Parabéns às pessoas que colaboraram manuseando as novas tecnologias, aos jovens, coral, catequizandos e catequistas. Como sempre, um miminho!

Permitam-me apenas um reparo:
Em muita gente, há tentação de fazer da Eucaristia uma representação, um teatro, uma baile. Não vão por aí! Numa sociedade em constante rebuliço, incapaz de serenar para interiorizar, meditar encontrar-se, a Igreja não pode alinhar em mais poluição.
Aliás as tentativas de encharcar os sentidos com a ideia de festa à maneira do mundo, não colheu. Onde se fez, se a princípio as pessoas aderiram e até diziam "assim, sim! Vale a pena!", depressa se cansaram pois observaram que, se é pelo espetáculo, o mundo fá-lo muito melhor.
A Eucaristia, a oração precisam de serenidade alegre, pois a Missa não é nenhum velório. Mas transformar a Missa num espectáculo, além do ridículo, deixa as pessoas vazias de Deus.
O Pároco

Sem comentários:

Enviar um comentário