segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Bispo explica que Crisma «não é a cerimónia da graduação para dizer adeus»


O bispo de Setúbal explicou aos jovens que receberam o Sacramento da Confirmação no passado  sábado, na Paróquia da Moita, que “são gente grande” e a “comunidade precisa” deles pedindo que “não se demitam” do contributo que podem dar.
“Isto não é a cerimónia da vossa graduação para dizer adeus, isto é o princípio de vida nova, ativa, tenham gosto para dizer esta é a minha comunidade, eu colaborei para fazê-la, para construí-la, não fiquem simplesmente a ver passar as procissões, participem, levem o andor e calcorreiem as estradas da nossa vida, da nossa cidade, do nosso mundo. É para isso que vocês recebem o Espírito”.
 “Vocês a partir de agora são gente grande, esta comunidade precisa de vocês”, “não se demitam” de participar na comunidade porque seria “uma tristeza” e “uma falha” para a Igreja.
A comunidade paroquial tem também “o direito” de pedir aos crismados o seu “serviço da fé, da esperança, o entusiasmo”, aquilo que o Espírito lhes dá.
“Façam da vossa vida um alerta para servir, não é esperar sentadinhos, isto é para esperar operosamente, este mundo precisa de gente amada por Deus, que sente o carinho e amor de Deus e é capaz de pôr ao serviço de um mundo melhor esse capital e vida, de amor, energia, criatividade”, desenvolveu.
 “Somos todos transgénicos, recebemos um gene novo”, acrescentou recordando que São Paulo fala do enxerto em Cristo que se recebe pelo Batismo, porque a vida de Deus não acaba.
“A nossa natureza humana não dura para sempre, os nossos genes são falíveis, não podemos viver eternamente. Deus sim, mandou-nos o seu Espírito que é isso que nos faltava, a participação na sua vida para nos fazer viver. Esse é o gene novo que nós temos.”

Sem comentários:

Enviar um comentário