terça-feira, 27 de setembro de 2016

Não poluamos o mundo de negatividade


“Como servidores da palavra de Jesus, somos chamados a não ostentar aparência, nem procurar glória; não podemos sequer ser tristes e lastimosos. Não sejamos profetas da desgraça, que se comprazem em apontar perigos ou desvios; não sejamos pessoas que vivem entrincheiradas nos seus ambientes, proferindo juízos amargos sobre a sociedade, sobre a Igreja, sobre tudo e todos, poluindo o mundo de negatividade. O cepticismo lamentoso não se coaduna a quem vive familiarizado com a Palavra de Deus.”
Papa Francisco
***
Papa condena “estrabismo” de quem admira os famosos mas ignora os pobres
12.dez.2012: Zezé di Camargo aplaude o musical "Shrek", que tem sua filha Camila no elenco, na pré-estreia do Rio de Janeiro
A mundanidade é como um ‘buraco negro’ que engole o bem, que apaga o amor, que absorve tudo no próprio eu. Então só se vêem as aparências e não nos damos conta dos outros, porque nos tornamos indiferentes a tudo”.
“Quem sofre desta grave cegueira, assume muitas vezes comportamentos ‘estrábicos’: Olha com reverência as pessoas famosas, de alto nível, admiradas pelo mundo, e afasta o olhar dos inúmeros Lázaros de hoje, dos pobres e dos doentes, que são os predilectos do Senhor.”
Papa Francisco

Sem comentários:

Enviar um comentário