sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Madre Teresa de Calcutá é canonizada



Madre Teresa de Calcutá é canonizada, este domingo, pelo Papa Francisco, passados 19 anos, menos um dia, da sua morte, a 5 de setembro de 1997, aos 87 anos. Este é, por certo, o gesto que marcará, mais do que qualquer outro, o Ano da Misericórdia. Esta religiosa está na memória de todos, com a sua figura franzina, vergada por uma existência dedicada ao serviço dos mais pobres entre os pobres, mas sempre repleta de uma energia interior inexaurível: a energia do amor de Cristo. 
Deixemo-nos iluminar pelo seu exemplo, para seguirmos a Cristo, livres de tudo, de modo que nada nos estorve, “pois aquilo de que não precisamos só nos pesa” (Madre Teresa).

A misericórdia é, no seu núcleo, uma virtude espiritual, mas o Papa Francisco tem insistido, ao longo deste ano que, para ser autêntica, a misericórdia deve manifestar-se em ações concretas de serviço. Neste ano, somos chamados a redescobrir, a valorizar e a praticar, com alegria, as obras de misericórdia corporais e espirituais. Ora, poucas figuras católicas, alguma vez, e provavelmente nenhuma no seu tempo, ilustraram melhor esse impulso para a misericórdia concreta, do que Madre Teresa, desde os centros para doentes com SIDA às casas de acolhimento para crianças perdidas e refugiados. Não houve qualquer espécie de sofrimento humano a que ela não tivesse dado uma resposta prática. Nesse sentido, Santa Teresa de Calcutá ficará para sempre como uma espécie de "manual de como fazer misericórdia", em carne e osso, uma espécie de “guia do utilizador” para saber o que é, na prática, a misericórdia. Daqui por diante, o Papa Francisco não tem de oferecer qualquer explicação detalhada do que é a misericórdia; tudo o que tem de fazer é apontar para Madre Teresa e dizer-nos: «Procurai fazer como ela».  
Por tudo isto, não é temeridade dizer que o Ano da Misericórdia alcança, com esta canonização de Madre Teresa, o seu auge espiritual.



Sem comentários:

Enviar um comentário