sábado, 15 de fevereiro de 2014

Agressividade que mata

--
Segundo alguns observadores, está a desenvolver-se na sociedade atual uma linguagem, que reflete o crescimento de uma agressividade, que mata. Cada vez são mais frequentes os insultos ofensivos, só para humilhar, desprezar e ferir. Dizem-se e ouvem-se palavras duras, nascidas da recusa, do ressentimento, do ódio e da vingança. E isto não se passa apenas no âmbito da convivência social. É também um problema da Igreja, como o denuncia o Papa, convidando-nos a dizer “não às guerras entre nós”:
Dói-me muito comprovar como nalgumas comunidades cristãs, e mesmo entre pessoas consagradas, se dá espaço a várias formas de ódio, divisão, calúnia, difamação, vingança, ciúme, a desejos de impor as próprias ideias a todo o custo, e até perseguições que parecem uma implacável caça às bruxas. A quem queremos nós evangelizar com estes comportamentos” (Evangelii Gaudiu, 100)? Pergunta-nos o Papa!

Sem comentários:

Enviar um comentário