terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Criador de armas arrependido


O testemunho desta semana vem-nos da Rússia. Mikhail Kalashnikov, criador da arma de assalto AK-47, escreveu, em Maio de 2012, uma carta de arrependimento endereçada ao patriarca Cirilo, líder da igreja ortodoxa russa, expressando o seu remorso pela criação dessa e de outras armas, que mataram muitos milhões de pessoas.
O nome AK-47 é uma combinação das iniciais do nome do fuzil, "Avtomat Kalashnikova", e o ano em que a arma começou a ser produzida, 1947. Inspirada no fuzil de assalto alemão Sturmgewehr 44, a arma popularizou-se por causa de sua manutenção relativamente simples, por sua resistência a condições adversas, como água, areia e lama, e também por seu baixo custo.
Estima-se que essa arma, criada quando Kalashnikov era oficial do Exército Vermelho e se recuperava de ferimentos sofridos durante a Segunda Guerra (1939-1945), vendeu 100 milhões de exemplares. A carabina logo se tornou a espingarda de assalto padrão da infantaria soviética e, nos anos seguintes, passou a ser adoptada por exércitos de mais de 80 países, por guerrilheiros radicais e até por terroristas como Osama bin Laden. Ele nunca cobrou regalias ou recebeu direitos relativos à criação do AK-47. Curiosamente, a sua maior fonte de renda provinha da venda de uma vodca que também leva seu o nome.
Na carta publicada pelo jornal russo "Izvetia", Kalashnikov disse ao patriarca da Igreja Ortodoxa russa, Kirill, que sentia uma dor espiritual insuportável. «Faço-me sempre a mesma pergunta a que não posso responder: 'Se minha arma terminou com a vida de tantas pessoas, serei eu culpado pelas mortes, ainda que fossem inimigos?’»
Kalashnikov, que morreu em 23 de dezembro do ano passado aos 94 anos, podia simplesmente fazer uma confissão privada a um padre, pois os ortodoxos também têm a confissão individual como os católicos, mas quis mostrar o seu arrependimento público. Oxalá os que estão na origem de terríveis males físicos ou morais aos outros sigam o exemplo deste homem.

Fonte: aqui

Sem comentários:

Enviar um comentário